O ogro azul dos fãs de anime e mangá…


“Delicie-se com a Wired, a rede que promete lhe manter na frente do PC para sempre.”

Relatando…

Serial Experiments Lain apresenta Lain Iwakura, uma tímida estudante. Sua psicodélica jornada começa quando algo macabro acontece em sua escola: uma aluna, Chisa Yomoda, comete suicídio, mas supostamente manda um e-mail depois disso. A partir daí, Lain, até então uma menina desinteressada no universo dos computadores, tem sua curiosidade mais e mais instigada com relação ao assunto. Quando menos espera, ela se depara com projetos obscuros ligados à rede e uma aparente separação entre a Lain de sempre e a Lain da Wired (Internet) e tem que lidar com isso, o que culmina em uma experiência simplesmente sobrenatural.

Temática, opinião e detalhes

Lain já pode ser considerado um clássico pertencente à categoria de histórias como Matrix, que aliam tecnologia digital e questionamento da realidade. Nessas obras somos no mínimo tentados a acreditar que nunca há objetos, mas apenas o sujeito que pensa que os observa.

Uma possibilidade bastante colocada no anime é a de alguém abandonar o corpo e viver literalmente na Wired, ou seja, a existência não estaria condicionada ao ser humano visto como na Biologia, mas sim a algo mais abstrato. Nesse ponto foi escolhido um caminho oposto ao de Matrix, onde todos vivem na “mentira” e a “realidade” é uma libertação.

Uma noção original e bem trabalhada em Lain é a deus da Internet (ou da Wired). Afinal, é um mundo mais simples, não faz mais sentido aquilo ser regido por alguém do que o caos que se passa lá fora? Essa é a idéia provocante que resume as colocações a respeito existentes nessa obra. Parece um bom lembrete para não tratarmos nossos problemas com soluções dignas de jogos ou de questões de Matemática de escola.

Outro assunto abordado na história é a identidade, o que pode ser visto como um caso do que eu chamo aqui de questionamento da realidade. Quais são os limites que separam você daquilo que não é você? A Lain da Wired é a Lain do mundo real? Aiscrim é o ser humano por trás desse login? E qual o papel da visão que as outras pessoas têm de você com relação a sua identidade? Perguntas desse tipo normalmente são silenciadas pelo senso prático, mas merecem ser lembradas quando ele não é o bastante.

Serial Experiments Lain traz também várias referências ao universo tecnológico da época enquanto tenta prever um pouco a direção de seu avanço. Podemos reconhecer computadores com a cara dos anos 90, um slogan da Apple, o destaque  colorido em “To Be Continued”, que se refere à empresa criadora do BeOS (um sistema operacional “extinto”) e outras pequenas menções semelhantes de nomes do mundo da informática vigente, incluindo o “nExt”  que aparece discretamente na imagem. Algo meio estranho que surge é o uso de um computador do tamanho de um quarto com um sistema de refrigeração todo especial enquanto o objetivo aparentemente é apenas navegar nas redes sociais muito embora exista uma discreta participação de um jogo na trama do processo de unificação global das mentes. Numa hipotética tentativa de atualizar Lain, a famosa Wired mereceria ser chamada de Wireless e talvez a tecnologia refletisse o conceito de que o que demanda potência são os jogos, enquanto comunicação pura pede dispositivos portáteis e Computação em Nuvem apesar de ser possível jogar em um portátil e navegar em um gigante e talvez também houvesse menos uso de comandos de voz. Quanto a esse tipo de assunto, merece destaque meu episódio favorito, o 9, que traz um breve histórico da Internet.

Essa obra é marcante em seus detalhes, um exemplo é fala presente antes da cena com ruído branco, que por sua vez aparece antes da abertura: “present day, present time…hauhauahauhauah”. Algo especialmente projetado para não sair de nossas cabeças.  Outro detalhe assim é a frase “Have you ever seen the Lain?”, que é uma brincadeira com o nome da música “Have You Ever Seen The Rain?”

Aqui termina o artigo, mas como Lain diz no último episódio, ela estará conosco para sempre.

Anúncios

Comentários em: "Serial Experiments Lain" (4)

  1. Esse foi um dos animes mais complicados que vi, mas também é uma série muito bacana, gosto muito do visual da série e das músicas e apesar de ter um plot bem complicado, assistindo só duas vez já dar pra entender bem a série =D.

  2. @neverburnme disse:

    Assisti alguns episódios de Lain há alguns anos atrás, mas acabei abandonando. O que eu gostava nele justamente era o nó que ele dava na cabeça de quem assiste! 😄
    Quem sabe é mais um que irei ‘rever’.

  3. YakuzareD disse:

    Pra mim Lain é um clássico da época em que os animes mais populares (obrigatórios, até) entre os fãs eram CowBe, Trigun, Eva e Berserk, o mais “underground” entre eles, até, levando-se em conta que o enredo segue um estilo bem incomum. Bom post, btw.

  4. Kaiji-dono disse:

    Eu adoro a primeira trilha sonora desse anime, uma das minhas favoritas. RECOMENDADÍSSIMO, tanto o anime quanto a trilha sonora. Bons tempos aqueles, YakuzareD…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: