O ogro azul dos fãs de anime e mangá…


                                      

Família unida é outra coisa

“Sente-se à farta mesa de um intelectual jantar com a família Ushiromiya, mas não espere assistir ao raiar do dia seguinte!”

Relatando…

Um senhor de idade com no máximo 3 meses de vida pela frente grita desesperadamente diante de um quadro que retrata uma jovem dama loura em um grande e belo vestido clamando para que Beatrice, uma mulher que pode-se supor que seja a do quadro,  apareça e mostre seu sorriso pela última vez, é assim que somos apresentados a Umineko no Naku Koro Ni, uma continuação espiritual de Higurashi no Naku Koro Ni, porém com um novo mistério a ser resolvido. Depois dessa cena 17 membros da poderosa família Ushiromiya chegam à ilha de Rokkenjima, que pertence ao líder da família. O que deveria se passar lá seria uma reunião com o objetivo de discutir os rumos do patrimônio da família. Nesse ano, 1986, especialmente por conta da proximidade da morte do patriarca, Kinzo, eles tinham que decidir sobre a partilha da herança. Porém, naquela noite, a pequena Maria aparece com uma carta e um quarda-chuva e diz que esses itens lhe foram entregues pela lendária bruxa dourada Beatrice, a carta convida todos a resolverem um sinistro epitáfio para encontrar uma quantidade extrema de ouro escondido na ilha e avisa que todos morrerão se não obtiverem êxito nessa missão. Então começa a elegante e psicodélica batalha para decifrar como isso aconteceu e a situação se torna cada vez mais estranha.

Temática, opinião e detalhes

Umineko no Naku Koro Ni originalmente é uma visual novel cuja primeira parte foi lançada para Windows pela 07th Expansion em 2007. A franquia possui versões também para PS3, PSP e celular. O jogo também é categorizado pela empresa como sound novel dado o enfoque na ambientação sonora. A obra foi adaptada para mangá, a publicação iniciou-se em 2007 e estendeu-se até 2015. Uma adaptação para anime foi realizada pelo estúdio Deen e exibida em 2009 e a novelização começou a ser publicada em 2009 e prossegue até hoje (2016).

A história é centrada na família Ushiromiya e sua trajetória de ganância e pressão social que culminou na misteriosa tragédia da ilha de Rokkenjima. Tragédia personificada na figura da bruxa dourada Beatrice, que promete uma terra dourada para quem resolver o epitáfio e realiza uma cerimônia de ressureição onde a família é assassinada.

Os títulos dos episódios do anime carregam situações de partidas de xadrez e o encerramento mostra claramente peças e um tabuleiro. Essa partida é o embate entre Ushiromiya Battler, o cético racional que tenta negar a magia de Beatrice, e a própria Beatrice, que busca provar que a magia aconteceu.

Nesse combate destaca-se o uso das verdades vermelha e azul, usadas como jogadas e consistindo em afirmações que devem ser assumidas na argumentação a favor ou contra a magia.

A narrativa, assim como em Higurashi no Naku Koro Ni, acontece em uma peculiar forma espiral. A cada arco a partida recomeça e o massacre de Rokkenjima é recontado de forma a acrescentar informações sobre o mistério. Magia e lógica progressivamente se fortalecendo. A primeira é especialmente enfatizada nos episódios intermediários do anime, parecendo não haver margem para uma solução mundana.

Na versão animada é mantida a dúvida sobre a autoria dos crimes. As evidência divergem entre apontar para Eva Ushiromiya como resolvedora do epitáfio de Kinzo, para um Kinzo falso e até mesmo para Maria, cuja lamentável história com a mãe negligente é bastante exposta. Além disso, é apresentada a história de Ange Beatrice, irmã mais nova de Battler, que busca, em 1998, pistas sobre o acontecido na ilha e também tem contato com a magia.

Umineko no Naku Koro Ni apresenta ao espectador o conceito argumentativo conhecido como probatio diabolica, uma situação onde surge um dilema pela falta de evidências para provar a ausência de algo e se faz necessário reverter o ônus da prova ou dar poderes adicionais a quem alega tal ausência. Battler não pode provar a ausência total da magia e Beatrice não pode provar a total falta de uma explicação plausível para todo o incidente.

A obra trabalha também a ideia de magia de uma forma específica. A magia é colocada como algo possível, mas que necessita de uma perspectiva crédula da situação. Isso remete até mesmo ao conceito de fé onde a crença acontece sem provas e, se receber provas, deixa de ser fé.

Apreciem o retorno de Beatrice e que todos nos vejamos na terra dourada.

Anúncios

Comentários em: "Umineko no Naku Koro Ni" (3)

  1. Nanda disse:

    Você é tuberculoso ou o que? Parece que ta morrendo no áudio post tsc

  2. Que comentário maldoso Nanda san.

    Achei que ficou legal, principalmente para uma primeira tentativa, mas achei meio curto.
    Tente se soltar um pouco mais e os próximos ficarão cada vez melhores. Ah e é sempre bom usar BGM (músicas de fundo).

    Sendo um pouco crítico sobre a série, gostei dela, mas achei bem inferior a sua antecessora, fora que o final sem final é meio irritante pra quem não pensa em conferir a visual novel como eu, no mais é um anime bom.

    PS.: A frase inicial do post ficou muito maneira.

  3. nossa mano fla + alto, fla com sua voz normal, parece forçada. a idéia foi boa mas fla mais solto pohis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: