O ogro azul dos fãs de anime e mangá…

Arquivo para a categoria ‘Mangá’

Até mais, e obrigado pelos peixes!

OE9fLLc

Bang!

Então… meio que já tinha dado pistas nos últimos posts, mas agora estou oficializando uma decisão que já foi tomada há algum tempo. Resumindo, esse é o último post do Anime Porftolio (mas seja legal e leia o post até o fim!). 

Os motivos para parar de postar no blog são pessoais e, embora não seja nada mirabolante ou que esteja afetando minha vida pessoal grandemente, eu vou me reservar o direito de omiti-los. Em vez de explicar os motivos para o fim, prefiro explicar o que vem adiante, mas não antes de já agradecer profundamente a todos os leitores do blog nesses quase 7 anos de existência.

Muito obrigado pelo apoio de todos nesse período! Tenho certeza que nem sempre o blog agradou a todos, mas certamente vale muito a pena guardar os bons momentos, as boas informações, as boas indicações e talvez o bom conhecimento que eu e todos os autores do blog tentamos passar nesse tempo em que esta página esteve em atividade. Um agradecimento especial aos parceiros do blog que nos apoiaram nessa empreitada, e mais especialmente aos blogs Animecote e Netoin, que sempre me apoiaram e que continuam me apoiando nos projetos malucos que bolei.

E agora o que acontece?

tumblr_njmjgqMhXd1r6y37vo1_500

Esse post marca o fim das postagens no Anime Portfolio, mas o blog não chega ao fim hoje, na verdade tem tanto conteúdo que a nós (a equipe) orgulha, que não poderíamos simplesmente deixar tudo para lá. Além disso, o fim das postagens no Anime Portfolio não marca o fim das atividades de todos os autores do blog. Eu, o velho e maluco administrador desse blog ainda continuarei a blogar, mas em outros locais. Então isso é o que posso falar sobre o futuro do conteúdo do blog e sobre alguns autores:

  • O Kyon continuará sofrendo com o tratamento da Haruhi, mas nada sabemos se ele voltará um dia a escrever seus sarcásticos comentários sobre anime.
  • O Aiscrim (André) irá continuar escrevendo sobre videogame no Intersect News, continuará seus contos no Aisvêrse e continuará participando, sempre que possível, do Kyoudai Podcast.
  • Eu (o Administrador do blog) me manterei postando podcasts e contos no Yopinando, e além de participar dos podcasts, eu me tornei redator do Animecote.
  • Ainda sobre minha participação no Animecote, parte dos textos que publicarei lá de agora em diante serão continuações de certas colunas que postava aqui, dentre as quais o Pensador Otaku e A resposta é 42 são duas que manterei. Ainda não sei ao certo se manterei alguma outra. Além disso, certas matérias especiais e textos egressos dessas colunas que fazem parte do Anime Portfolio serão revisados, atualizados e repostados no Animecote. Ainda não está definido que textos serão relançados, mas a frequência de relançamentos não deve ser maior que 2 textos por mês.
  • As resenhas, e outros textos opinativos e expositivos, que consideramos atemporais e que não gostaríamos que fossem completamente esquecidos no limbo do passado da internet, serão revisados e atualizados por mim e pelo Aiscrim (por enquanto apenas por nós dois), para futuramente (provavelmente no primeiro semestre de 2016) serem compilados e relançados como uma publicação digital similar a uma revista.
  • Apenas após o lançamento da compilação citada acima,  o blog será fechado, até lá será possível acessá-lo e ver todo o conteúdo publicado no blog, inclusive os extremamente datados.
  • Nada posso dizer sobre os demais autores do blog, apenas posso afirmar que sempre contarão com meu apoio em qualquer projeto que venham a me apresentar.
  • O Projeto Conhecendo o Mercado Naccional de Mangás continuará sendo publicado nos blogs participantes do mesmo, com exceção do Anime Portfolio. E aquele imenso texto que preparo todo mês sobre o formulário mensal do projeto passará a ser publicado no Animecote.
  • Como já mencionado anteriormente, o Kyoudai Podcast continuará sendo gravado ao vivo e publicado no youtube, no Animecote e no Netoina cada duas semanas.
  • O podcast Sobre Músicas e Animes continuará sendo publicado no Yopinando, mas também será publicado no Animecote.
  • Os demais podcasts (Yopinando Shinbun, Yohohoho, SensouCast e Animecotecast) que eram publicados (também) aqui continuarão sendo publicados nos seus blogs de origem, o Yopinando e o Animecote.
  • Por último, a página do facebook e os twitters do blog serão desativados dia 25/09/2015.

o último Adeus Até mais

Dito isso (ou escrito isso), gostaria de agradecer pela última vez a todos os leitores, autores, comentaristas e parceiros do Anime Portfolio. Foram quase 7 anos de uma história memorável, que espero que tenha influenciado positivamente a cada um de vocês, ao menos a minha vida foi muito positivamente influenciada. Espero revê-los no Yopinando, no Animecote e em qualquer outro local da internet pelo qual passar (ou ao vivo quem sabe?). Como nunca se sabe o que acontecerá no futuro, em vez de um adeus, prefiro terminar esse texto como um bom golfinho faria (mesmo eu não sendo um golfinho, ou será que sou…), dizendo Até mais!  

gallery_207_22_118033

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Agosto de 2015

Uma obra para se refletir...

Uma obra para se refletir…

Está online o  formulário de setembro do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatomNetoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de setembro de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de outubro de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados detalhados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em setembro a pergunta extra é: Que mangá Shoujo/Jousei, ainda não publicado no Brasil, você acha que faria sucesso por aqui? Eu acredito que Akatsuki no Yona seria uma aposta interessante.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confiram após o checklist os resultados parciais dos mês de junho desse ano.

Obs: A partir de outubro esse texto com o checklist e novidades passará ser postado no blog AnimeCote.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE JULHO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 38 títulos no formulário, sendo 1 da editora Nova Sampa, 16 da editora Panini e 21 da editora JBC.

A editora Nova Sampa lançou oficialmente no fim de agosto e começo de setembro o último volume do mangá de suspense e mistério Dawn Tsumetai Te, de Ueda Shinsyu.

A grande novidade de agosto da editora Panini fica por conta do terceiro Databook de Naruto, intitulado no Brasil como Naruto: O Livro Secreto da Batalha, que foi escrito pelo próprio autor do mangá Masashi Kishimoto.

Por fim, a editora JBC traz 4 novos lançamentos esse mês, tratam-se dos títulos O Outro Cão que Guarda as Estrelas, de Takashi Murakami, Parasyte, de Hitoshi Iwaaki, Savana Game, de Ransuke Kuroi (hitória) e Eri Haruno (arte), e Ultraman, de Eiichi Shimizu e Tomohiro Shimoguchi.

RESULTADOS PARCIAIS DE Agosto DE 2015

Segue a análise que o Google Docs fornece sobre os resultado do formulário de agosto de 2015.  Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 341 respostas dos formulário em agosto, sendo aproximadamente 74% homens, 25% de mulheres e 1% não informou o sexo. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e tivemos 1 pessoa com menos 10 anos que respondeu o formulário.

SexoFaixaEtária

Os cinco mangás mais escolhidos em agosto foram: Yu Yu Hakusho #11, The Seven Deadly Sins #6, Berserk #7, Ataque dos Titãs – Antes da Queda #1, Vinland Saga #10. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Naruto Pocket #63, Toriko #15, Enigma #5, Gurren Lagann #9 e Air Gear #30.

Impressiona um pouco os títulos menos escolhidos, porém, a explicação mais provável é o fato das principais faixa etárias afetadas pelo projeto serem de pessoas mais velhos. Boa parte destes títulos, com exceção de Air Gear e  Gurren Lagann, são destinadas principalmente a um público composto principalmente por adolescentes mais novos e crianças. E no caso de Naruto, também deve-se levar em conta o fato de ser uma segunda versão do mangá, logo a maioria dos que compraram a primeira versão, não devem está comprando esta outra.

Mangas

Enfim, sobre a pergunta extra do formulário de agosto (Você gostaria que as editoras brasileiras lançassem mais mangas que foram publicados antes dos anos 2000 no Japão?) foi respondida por 335 participantes da pequisa e tivemos o seguinte resultado:

MangasAntigos

Diante desse resultado, fica então a dúvida que mangás publicados antes dos anos 2000 no Japão poderiam fazer sucesso Brasil?

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Agosto de 2015

...

Está online o  formulário de agosto do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de agosto de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de setembro de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados detalhados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em agosto a pergunta extra é: Você gostaria que as editoras brasileiras lançassem mais mangas que foram publicados antes dos anos 2000 no Japão? Eu adoraria ver Jojo e outros mangás em português.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confiram após o checklist os resultados parciais dos mês de junho desse ano.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE JULHO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 33 títulos no formulário, sendo 1 da editora Nova Sampa, 1 da editora NewPOP, 15 da editora Panini e 16 da editora JBC.

A editora Nova Sampa até o momento divulgou apenas o lançamento o penúltimo volume de Gurren Lagann, da Gainax (roteiro) de Kotaro Mori (desenhos), para agosto.

A editora NewPOP lançará nas bancas do resto do país os mangás que tiveram pré-lançamento nos eventos de julho, mas a editora também anunciou que sai esse mês o mangá yaoi de volume único  Kamisama Onegai, de Junta Mio.

A grande novidade de agosto da editora Panini fica por conta do volume 1 do mangá Ataque dos Titãs – Antes da Queda, de Hajime Isayama, Ryo Suzukaze, Satoshi Shiki e THORES Shibamoto, um spinoff de Ataque dos Titãs, que conta  história de um evento passado 70 anos antes do início da trama de Ataque dos Titãs.

Por fim, o único destaque da editora JBC em agosto fica por conta do mangá BTOOOM!, de Ju’nya Inoe,  que acaba de alcançar o Japão e deve ficar parado até um novo lançamento em terras nipônicas.

RESULTADOS PARCIAIS DE JULHO DE 2015

Segue a análise que o Google Docs fornece sobre os resultado do formulário de julho de 2015.  Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 364 respostas dos formulário em julho, sendo aproximadamente 70% homens e 30% de mulheres. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e ninguém com menos de 10 anos respondeu o formulário.

SexoFaixaEtária

Os cinco mangás mais escolhidos em julho foram: Tokyo Ghoul #1, Planetes #2, Aoharaido #3, The Seven Deadly Sins #5 e Yu Yu Hakusho #10. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Triage X #10, Drug-On #4, Alice no País das Maravilhas #1, Loveless #5 e Hetalia #5.

O resultado que mais me impressionou foi o de Aoharaido. Certamente a campanha por mais shoujos no Brasil deve ter influenciado nesse resultado, então será que já podemos intuir que a campanha vem sendo um sucesso? Ou devemos esperar essa leva de novos shoujos que vem por aí?

Por fim, um estudo mais detalhado do resultado da pergunta extra do formulário de julho de 2015 será lançado em uma futura edição da coluna Extras de Mangá.

Por hora é só! Até mais!

Eu li – Franken Fran volumes 1 a 3

Esse texto serve como uma primeira impressão de Franken Fran e como uma prestação de contas em relação a edição 7 da coluna Hora de Aventura.

2476666821_b8fc3c78b0

E eu pensava que Dr. Stein de Soul Eater era maluco…

Franken Fran é um mangá shonen de comédia, horror e ficção científica, escrito e desenhado por Katsuhisa Kigitsu. O mangá foi publicado entre setembro de 2006 e fevereiro de 2012 na revista mensal Champion Red, da editora Akita Shoten, e conta com 8 volumes ao todo.

O mangá é protagonizado por Fran Madaraki, uma jovem médica e cientista que foi criada pelo Dr. Naomitsu Madaraki, um dos médicos e bio-cientistas mais famosos do mundo. Sempre acompanhado de seu companheiro Okita, vemos Fran fazendo as cirurgias mais controversas e bizarras que se pode imaginar para “ajudar” seu pacientes, ou os pacientes do Dr. Madaraki, quando o mesmo não está presente. E algumas vezes ela recebe dinheiro para isso.

Mais uma operação bem sucedida!

Mais uma operação bem sucedida!

A arte do mangá é realmente um dos pontos altos da série. O design de cenários não chega a impressionar, mas o design de personagens é realmente muito bom, principalmente quando se trata de mostrar as cirurgias e o resultado das mesmas. É muito interessante como autor consegue chocar o espectador pelo body horror de sua obra ao mesmo tempo que apresenta um traço muito polido e leve, que torna tudo bonito de uma maneira meio bizarra.

Os personagens principais, principalmente a Fran, são bastante carismáticos e é interessante acompanhá-los. O que mais chama atenção no roteiro da série é como essa te surpreende a cada novo mini arco, no entanto o exagero desses mini-arcos também são um problema.  É perceptível o tom bem humorado da trama que facilmente se torna humor negro ao fim de todos os arcos, sendo que esses terminam quase sempre com a velha máxima “Cuidado com o que você deseja”. Porém, esse “humor” não chega a divertir muito e se torna cansativo. Tão cansativo como o tom procedural da história.

A trama até ganha um tom mais interessante com o surgimento de novos personagens recorrentes e com um desenvolvimento (muito lento) da história da Fran e do Dr. Madaraki, mas uma vez que você se acostuma com body horror da série, a leitura vai ficando cada vez menos instigante. Isso não significa que o mangá se torna ruim, apenas não vale a pena lê-lo todo de uma vez.

É interessante também ressaltar que o mangá referencia vários filmes e a literatura de ficção científica e horror, começando pela óbvia referencia a Frankenstein e passando por história sobre circo dos horrores e outros body horrors mais conhecidos dos fã do gênero (eu não sou um). Também é muito legal a forma como a ciência é aplicada ao longo da história. Um exemplo é o arco da imagem acima, provavelmente  uma das imagens mais famosas do mangá (e provavelmente uma das mais leves), que tem uma explicação muito interessante para a cirurgia que gerou a mocinha lagarta e que também é bem simples ao ponto de qualquer um com um pouco de conhecimento de biologia animal entender os conceitos por traz.

Cuidado com o que deseja.

Cuidado com o que desejas.

Enfim, Franken Fran é um bom mangá para quem quer começar a se aprofundar em mangás de horror com um visual mais bizarro. Os personagens recorrentes são bem carismáticos e apesar do estranhamento inicial, com o tempo você vai se acostumando com body horror da série e é bem instigante ver o final de cada mini arco, pois geralmente terminam de uma maneira inesperada e pouquíssimas vezes todos os envolvidos terminam bem. Finalmente, Franken Fan é um bom mangá para se acompanhar aos poucos, então vale a pena segurar a ansiedade inicial por ver logo o que vem em seguida na trama.

Extras de Mangá #6: Um pouco sobre OAD…

Olá! Hoje é dia de falar de Anime na coluna dedicada mangá, mas como assim? Hoje vou falar um pouco sobre OAD, ou Original Animation DVD, um termo utilizado principalmente para animações produzidas diretamente para Home Video que se difere de OVA (Original Video Animation ou Original Animation Video – OAV) poque OAD‘s são produções costumeiramente mais baratas e que são lançados juntamente com edições especiais de volumes de mangá.

xxxHOLiC: Rou, primeir OAD que adapta uma pequena parte do mangá xxxHolic: Rei

xxxHOLiC: Rou, primeiro OAD que adapta uma pequena parte do mangá xxxHolic: Rei

Enfim, OAD‘s tem a função de impulsionar a venda de certos volumes de mangá e servem muitas vezes como complemento de certas adaptações animadas que não cobrem toda história de um mangá em são baseadas. Diferente de OVA‘s (que começaram ser produzidos no Japão no fim dos anos 70) o costume de se lançar OAD‘s é relativamente recente. No início era comum OAD‘s serem lançados apenas com os volumes finais de certos mangás, mas com o tempo se tornou cada vez mais comum eles serem usados para adaptar arcos intermediários, ou histórias lançadas em extras do mangá original. Além disso, se tornou também comum o uso (algumas vezes) de OAD‘s em vez de OVA‘s para medir a popularidade e possivelmente analisar se vale a pena adaptar um mangá para anime.

Vale ressaltar que a utilização de OAD’s como forma de promover a venda de um volume de mangá é comum apenas no Japão e por isso mesmo não vemos muitos OAD’s ganharem versões ocidentais de maneira oficial, principalmente devido ao custo elevado de licenciamento e o custo da própria mídia, pois  muitas vezes o OAD custa quase o mesmo preço de um DVD ou Bluray comum de uma série de anime.

Enfim, o que há de bom em OAD‘s? Não existe nada de especial em um OAD’s na prática, pelo menos nada que o diferencie de um ou mais episódios de uma série de anime ou de um OVA. O grande mérito desse tipo de produto está no fato das editoras oferecerem um material a mais para colecionadores e fãs daquele mangá ao qual o OAD é associado, pois se um fã já vibra por seu mangá ter uma ou mais páginas coloridas, imagina ter uma animação que adapta especificamente um certo arco ou um extra do mangá.

School Rumble San Gakki - Seria terceira temporada mesmo?

School Rumble San Gakki seria uma terceira temporada mesmo?

Então você está me dizendo que um OAD só tem vantagens, já que o que o fã do mangá vai ter um material extra a mais (caso possa pagar por isso)? Na prática sim, muito embora OAD’s possam ser meio cruéis com pessoas que apenas acompanham anime, pois eles geralmente (quando não adaptam spinoffs) apresentam um grande spoiler, já que não respeitam a cronologia de uma série de anime. Por exemplo, A algum tempo saiu um OAD de Assassination Classroom antes da série de tv. Ignorando as questões técnicas, esse OAD apresentava um arco que apenas é mostrado no terceiro volume do mangá. Quem não lia o mangá certamente recebeu spoilers se viu esse OAD antes da série de anime estrear e ainda por cima foi jogado em uma trama sem saber sequer a ideia base do mangá.

Isso tudo não significa que OAD‘s são ruins, eles continuam sendo um extra bacana, pois por exemplo, nunca poderíamos ver uma versão animada do final do mangá School Rumble não fosse o OAD School Rumble San Gakki. Essa animação apresentou um grande pulo na narrativa em relação ao fim da segunda temporada do anime de School Rumble, mas para o público alvo dele (do OAD), que eram os fãs que leram o mangá  até o fim, foi um extra realmente incrível, já que o mesmo tem uma qualidade tão boa quanto a qualidade da clássica adaptação do mangá para série de anime.

Enfim, é uma pena que não possamos ter OAD‘s de certos animes aqui no ocidente, mas eu pelo menos vou continuar na torcida para que mais OAD‘s sejam produzidos. Como um fã de anime e de mangá eu só agradeço, ainda que eu implique um pouco com a qualidade de alguns OAD‘s.

Espero que tenham curtido saber mais sobre OAD e que comentam o que vocês acham de OAD‘s? E qual o seu OAD preferido? O meu é School Rumble San Gakki.

ANÁLISE DA PERGUNTA: Qual seu gênero preferido de mangá?

Hoje analisarei a pergunta extra do formulário do mês de Novembro de 2014 do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás. A pergunta foi:

Qual seu gênero preferido de mangá?

Das 178 pessoas que reponderam o formulário supracitado, 123 reponderam a pergunta extra, um número que eu considero interessante. Infelizmente, como pode ser visto na tabela logo abaixo, mesmo com o aviso deixado no formulário para  se desconsiderar demografias, mais de um terço das pessoas ainda responderam a pergunta com uma ou mais demografias e sem citar gêneros. Além disso, algumas poucas pessoas forneceram outras respostas que considero inválidas como “Nenhum específico.”ou “Não tenho uma preferencia.”. De modo que  houve ao todo 68  respostas válidas.

Informações gerais.

Informações gerais (Clique na imagem para vê-la no tamanho original).

Ao todo foram escolhidos 19 gêneros diferente, dentre os quais, 11 foram escolhidos por mais de uma pessoa. Não achei surpreendente que os três gêneros mais citados foram Ação, Aventura e Comédia, mas achei um tanto curioso o quarto gênero mais escolhido ser Slice of Life, já que não é comum mangás desse gênero serem lançados no Brasil. Pessoalmente me entristeceu um pouco o fato de que os gêneros Space Opera e Esportes tenham sido escolhidos por tão poucas pessoas. Confiram abaixo o percentual de escolhas de cada gênero.

nausicaa-do-vale-do-vento-vol-1-conrad_MLB-F-4301632818_052013

Mais interessante que analisar apenas as escolhas de cada gênero é analisar as escolhas por sexo e faixa etária. Vale ressaltar que houve pessoas que escolheram mais de um gênero, por isso não foram apenas 68 escolhas. A tabela abaixo mostra com mais detalhes como ficou a escolha de cada gênero. Ela está ordenada de cima para baixo pela quantidade de escolhas de cada gênero.

Escolhas por sexo e faixa etária.

Escolhas por sexo e faixa etária.

Dentre as mulheres os gêneros mais escolhidos foram Aventura, Fantasia e ficção e Ação. Sendo o preferido entre mulheres de 10 a 15 anos o gênero Fantasia e ficção. Entre mulheres de 16 a 24 anos (a principal faixa etária do formulário) o gênero Aventura foi o campeão. Entre mulheres de 25 a 30 anos houve um empate de preferências entre os gêneros Aventura, Fantasia e ficção e Ficção científica. Por último, apenas uma mulher com mais de 30 anos respondeu a pergunta e a mesma escolheu o gênero Nonsense.

Dentre os homens os gêneros mais escolhidos foram Ação, Comédia, Slice of life e Psicológico. Sendo o preferido entre homens de 10 a 15 anos os gêneros Slice of life, Romance, Thriller, Crime e Ecchi. Entre homens de 16 a 24 anos (a principal faixa etária do formulário) o gênero Psicológico foi o campeão. Entre homens de 25 a 30 anos os gêneros preferidos foram Aventura Ação. Finalmente, entre homens com mais de 30 anos o gênero preferido foi Comédia.

Algumas das conclusões que retiro desse resultado são: (i) Muitos ainda confundem demografia com gênero (isso pode ser um bom tema para discussões futuras); (ii) ainda há gêneros de mangás não comuns ao mercado nacional que os leitores gostariam de ver com mais frequência nas bancas e lojas especializadas;  (iii) apesar de haver gêneros que são preteridos por pessoas de ambos os sexos, há uma variação de gostos a se considerar entre diferentes faixa-etárias, o que mostra que é realmente importante haver uma ampla variedade de gêneros para suprir o mercado; e (iv) infelizmente ainda não vale a pena apostar em certos gêneros (particularmente eu gostaria muito de mangás space operas, mas não parece ser muito rentável lançá-los por aqui).

Espero que tenham curtido esse post e até mais!

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Julho de 2015

Baratas a vista...

Baratas a vista…

Está online o  formulário de julho do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e agora também em parceria com o blog Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de julho de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de agosto de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em julho a pergunta extra é: Que gênero de mangá você acha que está faltando nas bancas nacionais? Eu gostaria de mais mangás mecha.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confiram após o checklist os resultados parciais dos mês de junho desse ano.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE JULHO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 45 títulos no formulário, sendo 1 da editora Abril, 2 da editora Nova Sampa, 9 da editora NewPOP, 16 da editora Panini e 17 da editora JBC.

A editora Abril esse mês irá publicar Alice no País das Maravilhas, baseado no filme do Tim Burton

A editora Nova Sampa apresenta o último volume do mangá Variante.

A editora NewPOP apresenta um novo lançamento da franquia Madoka Magica, trata-se o mangá de volume único Puella Magi Kazumi Magica: Malícia Inocente,  além disso,  estão sendo lançados esse mês os mangás de volume único K Side:Blue, os primeiro volumes dos mangás 5 centímetros por segundoAlice Hearts e a novel NO.6.

A editora Panini lança esse mês o primeiro volume de Tokyo Ghoul e da nova versão de Naruto, Naruto Gold.

Por fim, a editora JBC lança esse mês o primeiro volume da nova edição de Eden: It´s an Endless World e a nova edição de Rurouni Kenshin: A Sakabatou de Yahiko. Também está sendo lançado esse mês os primeiros volumes de Terra Formars, LimitCodename: Sailor V.

RESULTADOS PARCIAIS DE JUNHO DE 2015

Segue a análise que o Google Docs fornece sobre os resultado do formulário de junho de 2015.  Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 274 respostas dos formulário em junho, sendo a maioria de homens. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e ninguém com menos de 10 anos respondeu o formulário.

ResultadosJunho1

Os cinco mangás mais escolhidos em junho foram: Yu Yu Hakusho #9, Berserk #6, The Seven Deadly Sins #4, Vilnand Saga #9 e Zetman #1. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Naruto Pocket #61, Kingdom Hearts II #9, À Flor da Pele #1, Gandhi – Uma Biografia em Mangá #1 e O 14º Dalai Lama – Uma Biografia em Mangá #1.

ResultadosJunho2

Por fim, nota-se que as demografias mais voltadas para o mercado masculino ainda tem muito mais força, tanto que o número de escolhas dos gêneros voltados mais para o público feminino foram menores que o número de mulheres que responderam o formulário. Certamente houve mulheres que escolheram demografias voltados para o público masculino e homens que escolheram demografias voltadas para o público feminino também. Sobre a vitória da demografia Seinen, é condizente com as faixas etárias mais selecionadas no formulário e com o grande número de títulos Seinen entre os mais selecionados de cada mês nos últimos meses. Pode-se especular então  que o público que visita os blogs de animes e mangá participantes do projeto realmente preferem mangás mais maduros e certamente a vinda de tantos títulos para pessoas mais velhas nos últimos anos comprova que há um contingente realmente grande de adultos leitores de mangá, o que por sua vez desmente a ideia de que no Brasil o mangá é um material para o público jovem masculino e que apenas títulos para esse público fazem sucesso.

ResultadosJunho3

Vale ressaltar, que certamente existe um grande público de jovens leitores de mangá que não parecem ser os leitores típicos dos blogs de anime que fazem parte desse projeto. E esse pode ser o maior público de mangás no Brasil, mas isso não minimiza a ideia de que há um grande público de adolescentes e adultos que se interessam pelos mangás publicados no Brasil.

Enfim é isso, até mais!

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Junho de 2015

A Sailor fukutização dos mangá =D.

A Sailor fukutização em mangá =D.

Está online o  formulário de junho do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e agora também em parceria com o blog Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de junho de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de julho de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em maio a pergunta extra é: Qual sua demografia de mangá preferida? O meu é Seinen.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confira após o checklist os resultados parciais dos mês de maio desse ano.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE Junho

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 38 títulos no formulário, sendo 2 da Case Editorial,  1 da editora Abril, 3 da editora NewPOP, 1 do selo Astral Comics, 16 da editora Panini e 15 da editora JBC.

A editora Case Editorial estreia no mundo mangás trazendo 2 títulos. O 14º Dalai Lama – Uma Biografia em Mangá, de Tetsu Saiwai, e Gandhi – Uma Biografia em Mangá, de Kazuki Ebine.

A editora Abril esse mês não publicou nenhum novo lançamento, mas apenas um novo volume de Kigdom Hearts II.

A editora NewPOP apresenta um novo lançamento da franquia Madoka Magica, trata-se o mangá de volume único de Puella Magi Oriko Magica: Outra História, com o roteiro do Magic Quartet e desenhos de Mura Kuroe.

O selo Astral Comics da editora Astral apresenta um novo lançamento de mangá erótico. Trata-se de À Flor da Pele, de Rin Minami, que contém uma coletânea de 7 histórias.

A editora Panini lança esse mês o aguardado final de Naruto, de Masashi Kishimoto, e também a última edição de Ataque dos titãs – Sem Arrependimento, um spin off de Ataque dos titãs, com o roteiro de Hajime Isayama e desenhos de Gun Snark e Hikaru Suruga.

Por fim, a editora JBC lança esse mês o primeiro volume da nova edição de Hellsing, de Kouta Hirano. Também Freezing, com roteiro de Dall-Yung Lim e desenhos de Kwang-Hyun Kim, está de volta em sua edição de número 27. A JBC também traz esse mês o lançamento do mangá de ação Zetman, de Masakazu Katsura, do romance Wish, do grupo Clamp. E por fim, a edito estreia esse mês o selo Ink, com o mangá Kill la Kill, de Kyou Akizuki, baseado no anime homônimo do estúdio Trigger.

RESULTADOS PARCIAIS DE Maio DE 2015

Segue a análise que o Google Docs fornece sobre os resultado do formulário de maio de 2015.  Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 274 respostas dos formulário em maio, sendo a maioria de homens. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e ninguém com menos de 10 anos respondeu o formulário.

Sem título

Os cinco mangás mais escolhidos em maio foram: Planetes #5, Yu Yu Hakusho #8, Ataque dos Titãs #10, 20th Century Boys #16 e Assasination Classroom #6. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Alice no País das Maravilhas #1, Naruto Pocket #18, Kimi ni Todoke #23, Dawn Tsumetai Te #4 e O Nosso Segredo #1.

Sem título2

Por fim, como qualquer resposta podia ser informada para responder a pergunta extra de maio 2015, então o google não teve como mensurar as respostas. Os resultados dessa pergunta devem ser apresentados em uma das edições futuras da coluna Extras de Mangá.

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Maio de 2015

Aí sim Panini!

Aí sim Panini!

Está online o  formulário de maio do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e agora também em parceria com o blog Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de maio de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de junho de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em maio a pergunta extra é: Qual mangá lançado no Brasil é seu preferido? O meu é Genshiken.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confira após o checklist os resultados parciais dos mês de março desse ano.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE MAIO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 32 títulos no formulário, sendo 1 da editora Nova Sampa,  1 da editora Abril, 1 da editora NewPOP, 1 do selo Astral Comics, 15 da editora Panini e 13 da editora JBC.

A editora Nova Sampa esse mês não publicou nenhum novo mangá, mas apenas um novo volume de dos títulos já em publicação pela editora, que ainda devem continuar a ser publicados nos próximos meses.

A editora Abril vai lançar mais um mangá relacionado a Disney. Trata-se da adaptação para mangá do filme Alice no País das Maravilhas do diretor Tim Burton, que tem como autor Jun Abe.

A editora NewPOP apresenta um novo lançamento da sua coletânea Osamu Tezuka. Dessa vez trata-se do mangá Dom Drácula, cujo o anime que o adapta também já foi exibido no Brasil e foi lançado em home vídeo por aqui.

O selo Astral Comics da editora Astral apresenta um novo lançamento de mangá erótico. Trata-se de O Nosso Segredo, de Nao Aki, que contém um coletânea de sete histórias.

A editora Panini lança esse a mês o aguardado mangá de ficção científica Planetes, do autor Maoko Yukimura, o mesmo de Vinland Saga. A editora também lança o último volume de Claymore, um famoso mangá de fantasia medieval da autoria de Norihiro Yagi.

Por fim, a editora JBC lança esse mês o primeiro volume da nova edição de Chobits, um clássico mangá de romance, drama e ficção científica do grupo CLAMP, que foi lançado anteriormente mo Brasil em formato meio-tanko pela própria JBC.

RESULTADOS PARCIAIS DE ABRIL DE 2015

Estou com pouco tempo e devo ficar assim até o fim de junho, por isso só no fim de junho teremos mais resultados na planilha de resultados, por hora fiquem com a análise que o Google Docs fornece sobre os resultado do formulário de abril de 2015.  Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 312 respostas dos formulário em abril, sendo a maioria de homens. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e ninguém com menos de 10 anos respondeu o formulário.

Resultados Abril 1

Os cinco mangás mais escolhidos em abril foram: Berserk #5, Yu Yu Hakusho #7, Viland Saga #8, The Seven Deadly Sins #2 e Ataque dos Titãs – Sem Arrependimentos #1. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Monstros S.A e Lilo & Stitch #1, Procurando Nemo #1, Super Onze #33, Super Onze #34 e Freezing #26.

Resultados Abril 2

Por fim, como qualquer resposta podia ser informada para responder a pergunta extra de abril 2015, então o google não teve como mensurar as respostas. Os resultados dessa pergunta devem ser apresentados em uma das edições futuras da coluna Extras de Mangá.

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Abril de 2015

O passado desse justiceiro é cheio de questões tortuosas...

O passado desse justiceiro é cheio de questões tortuosas…

Está online o  formulário de abril do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura OrientalSuco de Mangá e agora também em parceria com o blog Biblioteca Brasileira de Mangas, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de abril de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 14 de maio de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

Em abril a pergunta extra é: Qual o seu autor de mangá preferido? O meu no momento é Naoki Urasawa sem dúvida.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional! Também confira após o checklist os resultados parciais dos mês de março desse ano.

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE Abril

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 43 títulos no formulário, sendo 2 da editora Nova Sampa,  2 da editora Abril, 6 da editora NewPOP,  18 da editora Panini e 15 da editora JBC.

A editora Nova Sampa esse mês não publicou nenhum novo mangá, mas apenas dois novos volumes de títulos já em publicação pela editora que ainda devem continuar a ser publicados nos próximos meses.

A editora Abril vai lançar mais dois mangás relacionados a Disney. O primeiro é Procurando Nemo, um mangá que adapta o filme homônimo da Pixar. O segundo é O mangá Monstros S.A e Lilo & Stitch , um volume que conta com a adaptação de dois filmes , Monstros S.A. da Pixar e Lilo & Stitch da Disney.

A editora NewPOP apresenta um novo lançamento, um título que está chegando ao fim e mais uma novel. O lançamento trata-se do mangá ecchi de volume único Impulse, de Tomoyuki Enoki. O mangá que está chegando ao fim é a comédia yonkoma Azumangah Daioh, de Azuma Kiyohiko. Por fim, a nova novel trata-se do volume 2 de No Game No Life, da autoria de Yuu Kamiya. Vale ressaltar que no Japão só foi publicado um volume do mangá de No Game No Life, por isso o volume 2 deve demorar para aparecer por aqui.

A editora Panini lança esse a mês o aguardado spinoff  de Ataque dos Titãs, Ataque dos Titãs – Sem Arrependimentos #1, baseado na obra original de Hajime Isayama, com roteiro de Gun Snark e arte de Hikaru Suruga, que provavelmente é o mangá mais bem desenhado de toda a franquia. Além disso, chega ao fim esse mês Monster, de Naoki Urasawa, um dos meus títulos favoritos desse autor.

Por fim, a editora JBC está lançando este mês mais três novos mangás, o mangá de mistério, comédia e ação Enigma, de Kenji Sakaki, a compilação Sailor Moon – Short Stories, de Naoko Takeuchi, e o mangá dramático de volume único Zero Eterno, que conta com o roteiro de Naoki Hyakuta e a arte de Souichi Sumoto. Além disso, está de volta o mangá de ação, ficção científica e ecchi Freezing, que conta com o roteiro de Dall-Young Lim e a arte de Kwang-Hyun Kim, e chega ao fim este mês o mangá de comédia nonsense Ageha, da autoria de Koushi Rikudou.

Resultados Parciais de Março de 2015

O Google Docs fornece uma pequena análise do resultado dos formulários nele criados e a partir desse mês irei postar esses resultados junto com o texto de apresentação do novo formulário. Assim sendo, no mês de maio devo publicar os resultados de abril, em junho, os resultados e de maio e assim por diante. Esses valores não apresentam um estudo completo e detalhado do formulário e podem variar em um ou dois números para mais ou menos (Por algum motivo o Google Docs às vezes apresenta essa variação).

Como pode ser visto na figura logo abaixo, tivemos 189 respostas dos formulário em março, sendo a maioria de homens. A faixa mais escolhida foi de 16 a 24 anos e ninguém com menos de 10 anos respondeu o formulário.

Geral

Os seis mangás mais escolhidos em março foram: Ataque dos Titãs 9, Yu Yu Hakusho 6, Assasination Classroom 5, 20th Century Boys 15, Aoharuraido 1 e Magi – O Labirinto da Magia 9. E os cinco mangás menos escolhidos foram: Stitch! 1, Miriya & Marie 1, Super Onze 31, Super Onze 32 e Drug-on 1.

Por fim, a grande maioria das 181 pessoas que responderam a pergunta extra (Você compraria uma versão digital em vez de uma versão impressa de um mangá que você gosta, mas não adora, para liberar espaço na estante?) optaram pela resposta “não”. Ainda parece haver muita resistência em relação a publicações de mangás digitais. Eu particularmente adoraria ter essa opção, mas menos da metade das pessoas que responderam o formulário parecem concordar comigo.

pergunta

Enfim é isso! Colaborem com o projeto e até mês que vem!

Extras de Mangá #5: Algumas vantagens e desvantagens dos mangás curtos lançados no Brasil

Está no ar (após um longo hiato) a nova edição da coluna mais fanboy deste blog, ou quase. Aqui o assunto é mangá e somente mangá (mais ou menos).

Hoje irei compartilhar um pouco da minha opinião com relação a vantagens e desvantagens de se publicar mangás curtos aqui no Brasil. Para restringir o que eu compreendo por curto com relação a mangás, falarei neste texto de mangás que possuem no máximo 6 volumes. Enfim, vamos adiante.

Uma obra completa do Miura... finalmente consegui.

Uma obra completa do Miura… Finalmente consegui!

Podemos afirmar que a maioria dos mangás lançados no Brasil são de média ou longa duração, sendo obras com 10 ou mais volumes, isso porque naturalmente as editoras optam principalmente em lançar obras que já são famosas que vão lhe dar lucro por um longo tempo e isso não é nenhum problema, pois é até mais comum que bons mangás durem mais no mercado editorial japonês. Claro que ser bom é algo subjetivo e que o mais correto seria dizer que um mangá é popular, mas quando quase ninguém gosta de algo, isso é um indicativo de que essa não é uma boa aposta a ser feita. A questão é que ainda são lançados no Brasil mangás curtos e do ponto de vista de um leitor de mangás ocidental há uma série de vantagens e desvantagens relacionadas à essas obras.

Uma desvantagem é o fato de que quando a obra não é de um autor já consagrado no país, mesmo que você goste do mangá e com isso passe a querer mais obras do autor desse último, é pouco provável que a série venda bem “a não ser que essa obra tenha sido adaptada para anime”. Entre os exemplos que posso citar, temos o excelente Solanin de Inio Asano, que possui apenas dois volumes e que saiu no Brasil pela editora L&PM, que até fez uma campanha mínima de marketing, mas que aparentemente não conseguiu um retorno tão lucrativo. Vale ressaltar que Inio Asano é o mesmo autor de Oyasumi Pun Pun, outra excelente obra, muito bem-quista pelas pessoas na internet, e que sinceramente só irá ter chances de sair no Brasil se for por outra editora e ainda assim são poucas as chances. Claro que também existem as exceções, como o mangá Spicy Pink de Wataru Yoshizumi, que é um josei de apenas dois volumes e que passou despercebido pelo grande público, mesmo assim há pelo menos mais duas obras da autora no Brasil, Ultramaniac e Marmalade Boy. Provavelmente o motivo deste mangá ter sido lançado no Brasil foi devido ao sucesso pontual das outros obras da autora, e por ter saído numa época em que a Panini ainda investia mais em jousei e em shoujos.

Outra desvantagem é o fato de muitos mangás curtos lançados no Brasil não terem o mesmo marketing que obras mais longas, mesmo necessitando bem mais desse marketing. Atualmente editoras como a NewPop e a JBC passaram a publicar com mais frequência obras curtas. Percebe-se que essas editoras estão tentando equiparar o marketing de obras curtas com o que fazem para obras mais longas, enquanto que vejo pouco trabalho nesse sentido vindo da Panini, mesmo ela ainda publicando excelentes mangás curtos como o Gigantomachia, do qual vem a imagem que estampa o topo desse post.

agehaClaro que nem só de ônus vive nosso mercado com relação a obras curtas, na verdade existem várias vantagens tanto para leitor quanto para editora. Uma dessas vantagens está no fato de serem obras em que o investimento é menor e que um mal desempenho não é capaz de gerar uma crise numa editora. Para o leitor, o custeio de uma obra pequena é sempre menor do que de uma obra mais longa. Além disso, por ser menor o risco para a editora, há mais chances de se apostar em gêneros menos famosos. A JBC praticamente recriou um mercado de obras de suspense e terror ao apostar em séries como Another e Senhor dos Espinhos, além da série de média duração, Diário do Futuro. Agora praticamente essa editora sempre está com ou dois títulos dos gêneros terror e suspense em seu catálogo mensal. A Panini a alguns anos costumava apostar em obras jouseis e shoujos curtas, geralmente de romance, mas isso não ocorre mais.

Outra vantagem é que vários autores famosos costumam, vez ou outra, lançar séries pequenas, enquanto publicam suas obras principais que são mais longas. Algumas dessas obras menores acabam sendo lançadas no Brasil devido ao sucesso de uma outra obra maior do autor, que já faz ou fez sucesso no Brasil, assim podemos conferir mais do trabalho daquele autor. Por exemplo, seria pouco provável que Blue Dragon Ral Grad de Takeshi Obata chegasse ao brasil se não fosse o sucesso de Hikaru no Go, posteriormente esse desenhista ainda teve dois outros grandes sucessos em que trabalhou publicados no Brasil, Death Note e Bakuman, além de outra obra curta recentemente lançada, All you Need is Kill. Particularmente eu só tenho as duas obras curtas de Obata, embora tenha lido todas as obras citadas. Hikaru no Go é minha obra preferida dentre as seis, mas sem dúvida a obra em que Obata me deixou boquiaberto com seu traço, foi Blue Dragon Ral Grad.

È importante falar também que apostar em um autor que teve já obras que fizeram um relativo sucesso no país,  nem sempre é bom, principalmente quando a editora vai longe demais. Tenho certeza que toda vez que um mangá curto está para ser selecionado por uma editora, a editora tem ferramentas para medir o quanto essa obra provavelmente é popular ou não nos lugares em que já foi publicada, de modo que apostar em um mangá não muito famoso apenas porque o autor tem certa fama no Brasil pode sair pela culatra. O próprio Blue Dragon Ral Grad eu já conhecia ela antes de ser publicada no Brasil e pelo pouco de conhecimento que tinha, sabia que não era uma obra tão popular, tanto que até onde sei realmente que não foi um mangá muito lucrativo para a JBC.

Para mim que gosto muito de apostar em mangás curtos, não é incomum esbarrar em obras que não me agradam como o mangá Tsumitsuki, mas diante de um mercado em que suas grandes obras tendem muitas vezes a serem de gêneros muito parecidos, as vantagens de apostar em uma séries curtas se sobressai em detrimento das desvantagens, por isso fico feliz que mais mangás curtos venham sendo publicados nos últimos anos. Apenas espero que não se torne a regra usar esse tipo de mangá para apostar em gêneros menos conhecidos e em obras de demografias menos famosas no país, como o shoujo, o jousei e até mesmo o seinen, porque assim não teremos mais a oportunidade de acompanhar outras obras maiores e boas desses gêneros e demografias.

Sei que o texto não chegou a nenhuma grande conclusão, mas a ideia dessa coluna é divagar sobre os vários aspectos dos mangás e não apenas criticar o que há de ruim e nem apenas ressaltar o que há de bom. Espero que tenham gostado e que também reflitam um pouco sobre a publicação de mangás curtos no Brasil.

Análise da pergunta: Se alguma editora nacional lançasse mangás online você compraria (claro que com preço menor que os impressos pela vantagem em relação a distribuição)?

Uma ótima obra digital que acredito que faria sucesso no Brasil.

Uma ótima obra digital que poderia fazer sucesso no Brasil.

Nessa edição não teremos top nacional, mas temos a nova área da coluna Extras de Mangás onde farei sempre uma análise da pergunta extra de um dos formulários do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás (CMNM), e desta vez vamos voltar a outubro de 2013, onde, juntamente às questões comuns do formulário desse mês, foi feita a seguinte pergunta:

Se alguma editora nacional lançasse mangás online você compraria (claro que com preço menor que os impressos pela vantagem em relação a distribuição)?

E para meu espanto e meio que tristeza a quantidade de respostas negativas foi superior e com uma vantagem razoável em relação às resposta positiva como pode ser visto no gráfico abaixo.

MAnga Digital

Mesmo analisando por faixa etária, apenas as pessoas entre 25 e 30 anos acham que poderia ser uma boa ideia publicar mangás digiais no Brasil. Porém foram muito poucos os participantes da pequisas nessas faixas na época em que esse formulário esteve no ar, como pode ser visto na tabela abaixo.

Manga Digital Faixa

Me pergunto se é uma resistência ao digital, se é porque as pessoas acreditam que obras digitais deveriam ser sempre gratuitas, ou se há uma desconfiança sobre como as editoras disponibilizariam essas obras. O mercado digital de quadrinhos existe, embora seja pequeno quando não se considera as publicações amadoras e gratuitas. Por exemplo o site maisgibis.com.br é uma loja de quadrinhos digitais, sendo que a versão impressa de algumas das obras à venda nesse site já foram publicadas. Porém não existe nenhuma iniciativa oficial do tipo para mangás, pelo menos não em língua portuguesa, pois o próprio Crunchyroll permite que os assinantes brasileiros tenham acesso aos mangás que são lá publicados, porém todos estão em inglês.

Particularmente, eu adoraria ver mangás sendo publicados digitalmente no Brasil, inclusive acompanhando notícias de anime e mangá, pode se ver que há uma tendência principalmente no Japão e nos Estados Unidos de publicarem mais e mais obras digitais. No caso do Brasil há uma vantagem imensa já que sabemos, que devido ao tamanho do país e ao fato de o principal tipo de transporte de produtos ser feito por meios viários, o custo com a distribuição é imenso. Além de que essa mesma distribuição é quase que cruel com fãs que não moram no sudeste onde estão as grandes editoras, pois fora a temível distribuição setorizada, ainda existe a tiragem pequena com que certas obras chegam em diversos locais do país e que por vezes gera uma concorrência por produto, já  que muitos dos mangás esgotam rápido.

Enfim, imagino diante desse resultado e do posicionamento de grande parte dos fãs de mangás, que tão cedo não veremos mangás digitais em português por vias oficiais no país, a não ser que alguma editora nos surpreenda, mas não aposto minhas fichas nisso.

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Março de 2015

Porque não chamar de Sete de Pecados Capitais?

Porque não chamar de Sete de Pecados Capitais?

Está online o  formulário de março do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura Oriental e Suco de Mangá, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de março de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de abril de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

No mês de fevereiro tivemos um número maior de repostas do que em janeiro, o que é muito bom. Muito obrigado a todos que colaboraram e continuem divulgando o projeto para que o número de respostas aumente cada vez mais! Em março a pergunta extra é Você compraria uma versão digital em vez de uma versão impressa de um mangá que você gosta, mas não adora, para liberar espaço na estante? Na atual situação da minha estante eu adoraria, porque sinceramente tem uns 3 ou 4 mangás que compro que quero realmente ter aquela versão física, desde que comecei a aceitar que não há tanta diferença assim ter uma versão digital em vez de uma física de quadrinhos e livros.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional!

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE MARÇO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 37 títulos no formulário, sendo 3 da editora Abril, 4 da editora NewPOP,  15 da editora Panini e 15 da editora JBC.

A editora Abril vai lançar mais três mangás relacionados a Disney. O primeiro é Miriya & Marie, uma série sobre uma garotinha que descobre aos 10 anos de idade que é descendente de feiticeiros e para se tornar uma feiticeira ela precisará ter aulas com uma gatinha falante. O segundo é O Stitch!, a adaptação em mangá da série de anime japonesa homônima que é inspirada no filme Lilo & Stitch.  Por fim, a editora está lançando esse mês também a adaptação para mangá o clássico filme da Pixar, Wall-E.

A editora NewPOP apresenta 3 novos lançamentos esse mês. Primeiramente temos o mangá de suspense e romance Drug-on, de Misaki Saito. Outro lançamento desse mês é Nº6, de Atsuko Asano (roteiro) e Hinoki Ino (arte),  a adaptação de uma famosa light novel que também já ganhou uma série de anime. Por fim, temos Madoka Magica – The Differente Story, de Hanokage e Magica Quartet , o segundo spinoff de Madoka Magica, dessa vez com foco nas personagens Mami Tomoe e Kyoko Sakura.

A editora Panini finalmente lança esse a mês o aguardado shoujo AohaRaido. Finalmente poderemos ver o quanto esse mangá irá ou não afetar o mercado nacional com relação a demografia shoujo.

Por fim, a editora JBC está lançando este mês mais uma estreia, o mangá shonen The Seven Deadly, que é uma obra de bastante sucesso no Japão que mistura fantasia com um pouco de comédia e ecchi. Apesar do aguardado lançamento do mangá citado anteriormente, esse mês pode ser marcado para a editora JBC, como o mês dos finais, são a todo 6 mangás da editora que estão chegando ao fim este mês, são eles: After School of the EarthAgehaBTOOOM!, Lúcifer e o Martelo, Rurouni Kenshin e Soul Eater NOT!.

Então é isso! Colaborem com o projeto e até mês que vem!

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Fevereiro de 2015

Blast of Tempest

Blast of Tempest

Está online o  formulário de fevereiro do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must DieLeitura Oriental e Suco de Mangá, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de fevereiro de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de março de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

No mês de janeiro tivemos mais um bom número de repostas, embora menos que em dezembro, assim sendo, muito obrigado a todos que colaboraram e continuem divulgando o projeto para que o número de respostas aumente cada vez mais! Em fevereiro a pergunta extra é Que mangá de esporte vocês gostaria que fosse publicado no Brasil? Eu adoraria ver Major por aqui.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional!

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE Fevereiro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 35 títulos no formulário, sendo 4 da editora Abril, 1 da editora New POP,  17 da editora Panini e 13 da editora JBC.

A editora Abril vai lançar mais dois mangás relacionados a Disney. O primeiro é O Roubo da Coroa das Fadas, de Haruhi Kato, mais uma aventura de Tinker Bell e suas companheiras fadas. O outro mangá é O Estranho Mundo de Jack, de Jun Asuka, a adaptação em mangá do clássico filme de Tim Burton.

A editora New POP está lançando apenas a terceira edição de Usagi Drop este mês.

A editora Panini lança esse mês um gui especial do universo de One Piece, chamado One Piece – O Grande Arquivo de Dados, da autoria do próprio Eiichiro Oda .

Por fim, a editora JBC está lançando este mês mais duas estreias, o mangá Ageha, de Rikudo Roshi, mesmo autor de Excel Saga (bem que podiam lançar Excel Saga também né?),  e o mangá Zetsuen no Tempest, escrito por Kyou Shirodaira e ilustrado por Arihide Sano e Ren Saizaki.

Então é isso! Colaborem com o projeto e até mês que vem!

All You Need Is Kill – Resenha

Olá pessoal, tudo bem? Bem vindos a mais uma resenha, hoje do mangá que pelo visto está fazendo muito sucesso aqui no Brasil, All You Need Is Kill, de uma porrada de autores (Light Novel de Hiroshi Sakurazaka, ilustrações originais de Yoshitoshi ABe, Storyboards de Ryosuke Takeushi e arte do grande Takeshi Obata).

História

AYNIK com certeza já é uma “franquia” de sucesso, tendo Light Novel (Que originou o mangá), mangá, filme e uma Graphic Novel americana.

Num futuro alternativo (Ou não), a humanidade luta contra aliens invasores chamados Mimetizadores. Keiji Kiriya é um soldado novato que enfrentará os mimetizadores, mas em sua primeira batalha ele morre, e após morrer ele volta ao momento em que ele acordou. Ou seja, ele está preso em um ciclo interminável, em que ele morre, e volta à vida. E ele tenta descobrir um jeito de parar esse ciclo, então ele aproveita cada dia para treinar e aprimorar sua técnica de batalha, e tentar parar com esse ciclo infernal.

Análise

Acho que esse sucesso no Brasil de AYNIK se deve pelo mangá ter sido desenhado pelo Takeshi Obata (Autor de Death Note, Bakuman, Hikaru no Go). Eu inclusive comprei a obra por ser fã do do Obata, e não pela história, que a principio é bem clichê, com essa ideia de aliens invadirem a Terra e humanos tentando sobreviver, mas de qualquer forma, isso é só o plano de fundo para o ciclo de vida e morte (Também já explorado em outras histórias ) de Kiriya, que é a melhor parte da história.

Eu nunca li nenhum material de ação do Obata, e estava curioso para saber como ele se sairia nos desenhos, e realmente, cumpriu minhas expectativas. As cenas de batalha no primeiro volume são ótimas, principalmente a violência gráfica, que é constante (E eu particularmente adoro), claro que também devemos isso ao Ryosuke Takeushi, que fez os storyboards do mangá. Já no segundo volume, não sei porquê, as batalhas ficaram confusas lá pelo final, os desenhos estavam confusos e ficava difícil entender o que estava acontecendo.

A diferença de qualidade e história dos dois volumes é o problema.

Enquanto o primeiro volume é muito bom, as batalhas são bem feitas, existe o mistério de por que o loop está acontecendo apenas com Keiji, e a curiosidade em querer saber o que vai acontecer prende o leitor. O segundo já resolve o mistério do loop no começo, e essa resolução apesar de satisfatória, é preguiçosa e um pouco confusa. A arte continua sensacional nos momentos de menos ação, mas nas batalhas dos últimos capítulos fica meio bagunçado, e a história perde o clima que tinha no primeiro volume, de ação, e se torna uma história de romance.

A JBC escolheu um formato menor para AYNIK, o que não muda nada. A qualidade do material no geral é muito boa, bem melhor que o da Panini (Principalmente o papel).

Mesmo com a arte sensacional de Takeshi Obata, a história do mangá se perde no segundo volume, sendo bastante inferior ao ótimo primeiro volume, e o mistério que ronda toda a história é resolvido de uma forma satisfatória, porém confusa e preguiçosa.

All You Need Is Kill – Nota: 7.3

Até o próximo post!

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Janeiro de 2015

211

Dos comics americanos para os mangás…

 

Está online o  formulário de janeiro do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must Die e Leitura Oriental, e agora também com o blog Suco de Mangá, que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de janeiro de 2015. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de fevereiro de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

No mês de dezembro tivemos um dos melhores resultados da história do projeto, muito obrigado a todos que colaboraram! Em janeiro a pergunta extra é  Você pretende comprar Ao Haru Ride? Eu não pretendo, mas gostaria de saber se muitas das pessoas que respondem o formulário tem realmente interesse nesse mangá que pode ser importante para publicações de outros shoujos no futuro.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional!

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE Janeiro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esse mês temos 38 títulos no formulário, sendo 1 do selo Astral Comics, 2 da editora Abril, 7 da editora Nova Sampa,  14 da editora Panini e 14 da editora JBC.

O selo Astral Comics da editora Astral tem mangás previstos para esse começo de ano e o primeiro, que deve sair este mês, é Vaicorona, um mangá de Moa Hato, que apresenta uma aventura em um mundo de fantasia em que o príncipe precisa deter um monstro que ele mesmo despertou.

A editora Abril vai lançar mais dois mangás relacionados a Disney, o primeiro é Operação Big Hero, que adapta o filme homônimo do estúdio Disney, que por sua vez adapta o quadrinho de super-heróis da Marvel intitulado Big Hero 6 (Acredito que eles não tem versão brasileira). Outro mangá é o Princesa Kilala, que conta  história de uma garota que se vê em meio das princesas Disney.

A editora Nova Sampa está lançando o mangá de mistério Variante, também conhecido como Requiem for the World, que tem como autor Iqura Sugimoto. Além disso, está de volta Gurren Lagann, que a bastante tempo estava parado no volume 4.

A editora Panini lança esse mês o mangá de volume único Gigantomachia (ou Gigantomakhia, na edição da Panini testá com “c”), de Kentaro Miura, o mesmo autor de Berserk.

Por fim, a editora JBC está lançando este mês o mangá Green Blood, de Kakizaki Masasumi, também autor de Hideout, que apresenta uma história passada em Nova York no período do Velho Oeste.

Então é isso! Colaborem com o projeto e até mês que vem!

Dororo, de Osamu Tezuka – Resenha

Olá pessoal, como estão? Bem vindos a mais uma resenha, desta vez do mangá Dororo, do Deus do Mangá, Osamu Tezuka.

(Obs: Essa resenha refere-se aos volumes 1 e 2)

História

No Japão Feudal, havia um vassalo de um general samurai, chamado Daigo Kasemitsu. Em busca de poder sobre o Japão ele oferece a 48 demônios, 48 partes de seu filho que está para nascer. O pacto é feito, e devido a isso o bebê nasce sem partes importantes de seu corpo (Braços, pernas, olhos…) e é descartado num rio, de onde um médico o encontra, e comovido pela situação da pobre criança, constrói as partes que faltam do corpo do menino, fazendo ele aparentar uma pessoa normal.

Com o passar do tempo, a criança (Agora chamada de Hyakkimaru) passa a utilizar bem suas próteses, se tornado um espadachim habilidoso. Mas ele descobre que para recuperar sua humanidade e as partes de seu corpo perdidas e se livrar de uma maldição, ele precisa matar esses 48 demônios. Então, ele parte em uma jornada em busca deles. No meio da jornada, ele encontra Dororo, um ladrão (Seu nome significa Pequeno Ladrão Andarilho) que passa a acompanha-lo com o objetivo de roubar sua espada, mas sem querer, eles formam um forte laço de amizade.

Análise

Tezuka com essa obra consegue mostrar bem aos leitores como é uma guerra, e pode-se dizer que esse é o objetivo principal do mangá. No decorrer da história as desgraças causadas por ela são mostradas, como crianças que perderam os pais, cenários destruídos, pessoas sendo mortas praticamente sem motivo… Apesar disso, a história é focada principalmente na aventura e em belas lutas de espadas, com alguns momentos de terror, um terror fraco, que no máximo causa um sustinho aqui e ali e deixa um clima de tensão na história.

Pode-se dizer que o pouco suspense que há, fica por conta de algumas histórias curtas que acontecem de vez em quando, uma que gostei bastante é a da vila em que quem vê um certo yokai (Um tipo de demônio) é preso, e depois morto. Nesse mangá é possível perceber características de shonens que são usadas até hoje, como a amizade, coragem e tudo mais.

A arte de Tezuka melhorou consideravelmente comparado a uma outra obra que li dele, Crime e Castigo (Da qual você pode conferir a resenha aqui), essa que foi publicada 15 anos antes. O destaque fica para os cenários e os demônios que Hyakkimaru e Dororo enfrentam. Uma coisa estranha da arte é que o sangue são tipo umas bolotas, e não sangue mesmo.

O material físico da NewPop está belíssimo como sempre, capa cartonada, papel Off-set, orelhas, e tudo mais. Realmente faz valer os 24,90 gastos. Mais um comentário, essas capas do Tezuka da Newpop são demais, vocês não acham? O design, as cores… São muito lindas. Também há um filme do mangá, se você assistiu, comente aí sua opinião.

Dororo conta com uma história bem desenvolvida, e uma boa arte, infelizmente falha em despertar curiosidade do leitor no que acontecerá a seguir. E o terror e suspense que diz-se ter, é fraco, e o mangá acaba se tornando uma história de aventura (Não que isso seja um ponto negativo, mas se você buscar uma história de terror ou adulta, pode esquecer).

Se você comprar Dororo, ficará satisfeito com a leitura, mas se deixar de comprar, não fará falta.

Dororo – Nota: 8.0

Então é isso, até depois pessoal!

Especial Ohba e Obata – Resenhas: Death Note e Bakuman

Olá leitores! Aqui é o ALM, como vocês estão? Hoje farei duas resenhas em um post só.

Como lançou esse mês o mangá All You Need Is Kill (Ainda farei a resenha deste, só estou esperando chegar pelo correio.), desenhado por Takeshi Obata, aproveitarei para fazer um especial de dois ótimos mangás também de Obata, mas em parceria com o roteirista Tsugumi Ohba: Death Note e Bakuman! Considerem esse post em homenagem aos 6 anos do Anime Portfólio, parabéns ao blog! E leia também esse post para conhecer mais sobre a carreira de Obata.

Death Note – História

Light Yagami (Ou Raito Yagami, tanto faz) é um dos melhores estudantes do Japão, mas ele se sente entediado com a vida, e decepcionado pela forma que o mundo está: podre. Então, em um dia qualquer, ele encontra um caderno que diz que todo humano cujo o nome for escrito nele morrerá. Mesmo duvidando disso, Light testa o caderno e descobre que ele é real, a partir disso ele resolve livrar o mundo da podridão, punindo os maldosos, e se tornando o Deus do novo mundo.

Depois de alguns dias com criminosos sendo mortos pelo Death Note, todos de ataque cardíaco, a polícia começa a suspeitar, e o maior detetive do mundo, “L”, é escalado para investigar o caso, e então, começa uma briga de gato e rato, um caçando o outro, cada um com sua justiça.

Análise

É difícil fazer uma resenha de Death Note, sendo ele um dos meus mangás/animes preferidos, mas aqui estou eu. Death Note apesar de sua sinopse simples, até meio sem graça, chama atenção pela inteligencia do roteiro no decorrer da série, reviravoltas acontecem toda hora, e o mangá te dá, digamos, liberdade para escolher de que lado você está.

Como Death Note se baseia em pontos de vistas morais diferentes (Light acreditando que a verdadeira justiça é a dele, que diz que matando criminosos ele vai criar um mundo melhor, e L acreditando que independente de serem criminosos ou não, matar é errado), a partir disso o leitor pode escolher quem ele acha que está certo ou errado. Particularmente, eu sempre torci para o L, sendo ele um ótimo personagem, carismático, inteligente e tudo mais, e por o Light ser um desgraçado.

Apesar de Light ser o personagem principal, ele é o vilão. É interessante ver o desenvolvimento do personagem, que no começo queria realmente fazer justiça, mas no decorrer da série ele se torna um assassino frio, incapaz de ter sentimentos por qualquer pessoa (Até pela própria família), e passa a se importar apenas consigo e com seu objetivo de se tornar um Deus. Falando em personagens, temos diversos outros, alguns bem bosta, tipo a Misa (Cara, como aquela mina é burra, chega a dar dó), e o Matsuda (Poxa, eu até gosto do Matsuda, ele é engraçado, mas ele não faz nada na série inteira.), e vários bons, como Aizawa, Near, Mello, Ryuk e Naomi Misora.

A partir do sensacional roteiro, o mangá tinha que ter uma arte a altura, e realmente tem, a arte de Takeshi Obata é uma das melhores que já vi em mangás, não vou comentar mais, vou apenas deixar algumas imagens para vocês verem do que eu estou falando (Ignorem a má qualidade das imagens): Aqui e aqui.

E ano passado foi lançado o Death Note – Black Edition no Brasil, pela JBC, que é uma edição que custa 40 dilmas. “QUE? QUE DROGA DE PREÇO É ESSE?” Calma, calma, essa edição vem com 400 páginas, capa com laminação fosca e detalhes em verniz, e papel especial, que valoriza bastante a arte, e 7 páginas coloridas. Acho que vale muito a pena comprar a Black Edition, inclusive só faltam o V e o VI para completar minha coleção dessa maravilhosa série.

Recomendo Death Note a todo mundo, tem uma história sensacional, com reviravoltas a todo momento, e com um roteiro de extrema inteligência, ótimos personagens (Alguns né…) e uma arte de ficar algum tempo em cada página só admirando. E a qualidade da Black Edition está ótima, você acha facilmente as edições em livrarias.

Death Note – Nota: 9,5

Bakuman – História

Bakuman conta a história de Mashiro, um talentoso desenhista, desmotivado com o futuro, por não saber o que fazer, e provavelmente ter que viver uma vida normal e chata. Um colega de classe, Takagi, vê um desenho que Mashiro fez de sua amada, Azuki, e descobre seu talento, e o convida para fazer mangás junto a ele, um desenhando e o outro fazendo os roteiros.

Mesmo relutante, Mashiro aceita, e mais tarde Takagi o convence a ir à casa de Azuki, para contarem seus sonhos de se tornarem mangakás. Azuki diz que também tem um sonho de se tornar dubladora, e sem pensar, Mashiro diz para eles se casarem quando Mashiro criar um mangá que se torne anime, sendo que Azuki irá dublar a heroína desse anime. E até que isso aconteça eles não devem se falar. Azuki aceita, e a partir daí, Mashiro (Já motivado a se tornar mangaká) e Takagi partem em busca de criar um título de sucesso na Shonen Jump.

Análise

Bakuman é um mangá diferente. Ele, assim como Death Note, tem muitos diálogos, diferente da maioria dos títulos de sucesso que vemos por aí, ou seja, Bakuman não vai agradar a todos.

E também, Bakuman tem pouca ação, segue um ritmo bem tranquilo o tempo todo, com alguns momentos de mais “movimento”, e felizmente Bakuman não se prende a essa sinopse RIDÍCULA, se você achou Bakuman uma bela bosta por essa sinopse, leia pelo menos uns dois volumes que você verá que Bakuman não é uma história de amor, e sim uma história de dois jovens buscando se tornarem mangakás de sucesso.

Isso sim que é legal de se ver, conhecer como funciona o mundo dos mangakás, o processo de criação, a Shonen Jump (Com cancelamentos, novas séries, o trabalho dos editores), mas, claro que o que é mostrado no mangá pode não ser a realidade, afinal, ele foi publicado na Shonen Jump, e a revista deve ter pedido para os autores deixar mais atrativa para quem tem o sonho de se tornar mangaká. A história nos primeiros volumes é bem fraca, e vai melhorando com o tempo, a melhor parte é o arco do Nananime, na minha opinião.

Outra coisa interessante, é que como o mangá fala sobre mangás, existem muitas referencias a diversos mangás, como Ashita no Joe, Dragon Ball, Death Note, One Piece…

E o ponto forte do mangá sem dúvida são os personagens, um mais carismático que o outro, e a maneira que os personagens se relacionam, e mesmo com a competitividade pela popularidade continuam com uma forte amizade, é bem interessante, e o desenvolvimento dos personagens também, o Nakai é o que mais surpreende no decorrer da série.

O final do mangá é bem preguiçoso. Eles só terminaram de verdade a parte do Hiramaru com a Aoki (Terminou muito bem aliás, uma das partes mais engraçadas do mangá), e o resto cade? O que acontece com os outros personagens? Eles continuam fazendo mangá e competindo até morrer, é isso? O que fiquei com mais raiva foi que nem disseram por que o tio do Mashiro morreu, que é um mistério desde o começo do mangá. Pelo menos, a história principal (Mashiro, Takagi, Azuki) “termina” bem.

A arte é a mesma de sempre, mas em Death Note está um pouco melhor, não sei o porquê.

Diferente de Death Note, não recomendo Bakuman a qualquer um, se você gosta de mangás, e não se importa em ler vários diálogos, Bakuman é mais que recomendado. Já se você só gosta de mangás de ação e luta, passe longe.

Bakuman – Nota: 9,0

Bom pessoal, foi isso, espero que tenham gostado, tiveram algumas coisas que gostaria de comentar, mas aí o post ficaria muito grande vocês iriam dormir na leitura, hehe. Também gostaria de fazer um post só para falar do final desses dois mangás, mas só se vocês quiserem, comentem aí o que vocês acham. Até a próxima, e feliz aniversário ao Anime Portfólio!

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Formulário de Dezembro de 2014

Vamos jogar um pouco!

Vamos jogar um pouco!

Está online o  formulário de dezembro do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás.

Aos que já conhecem o projeto, peço mais uma vez seu apoio e sua disposição, mas aos que não conhecem, o mesmo trata-se de uma iniciativa do Anime Portfolio em parceria com os blogs AnimeCote Only good animesMangatom,Netoin!Otaku InsideNaty in WonderlandEcchi Must Die e Leitura Oriental que visa fornecer dados numéricos para que nós blogueiros e os demais fãs brasileiros de mangá possamos ter uma melhor noção de como anda o mercado nacional.

O formulário atual corresponde aos títulos que as editoras informaram no checklist do mês de dezembro de 2014. O mesmo ficará no ar até o dia 15 de janeiro de 2015 e pode ser acessado clicando aqui ou na imagem de divulgação do projeto no menu lateral do blog. Abaixo da imagem supracitada há uma outra imagem e clicando nela (ou aqui) vocês podem ter acesso aos resultados do projeto divulgados até então.

Convido mais uma vez os demais blogueiros, podcasters, videocasters ou donos de sites especializados em mangá, a apoiar o projeto, para isso enviem um e-mail a conhecendoomercadodemangas@gmail.com informando seu interesse. E para quem não tem site, blog, podcast ou videocast, mas quer nos ajudar, peço que retwittem o formulário e que divulguem no facebook, ou no google+, ou em qualquer outra rede social.

No mês de novembro tivemos uma pequeníssima queda no número de respostas do formulário em relação a outubro. Infelizmente muitas pessoas responderam a pergunta extra de outubro (Qual seu gênero preferido?) informando alguma demografia (Shonen, Shoujo, Josei, Seinen e etc) mesmo com o pedido para não fazê-lo, por isso boa parte das respostas dessa pergunta serão desconsideradas. Em novembro a pergunta extra é Onde você costuma comprar seus mangás? Eu por exemplo, compro mangás em bancas, livrarias, sebos e eventos, mas é mais comum eu usar uma Comic Shop que há aqui em Fortaleza.

Não deixem de curtir a página do facebook do projeto, acessem-na clicando aqui. Lá vocês poderão se informar sobre as as novidades do projeto assim que elas surgirem, além de poder ler outras informações sobre o mercado nacional de mangá.

Enfim, antes de comentar o checklist do mês, reitero o pedido para que todos que puderem e que estiverem interessado nesses resultados: Divulguem o projeto para o máximo de pessoas conhecidas que gostam de mangá e que costumam colecionar algum mangá lançado no mercado nacional!

UM POUCO SOBRE O CHECKLIST DE DEzembro

Esse mês temos 36 títulos no formulário, sendo 1 da editora NewPOP,  22 da editora Panini e 13 da editora JBC. E apesar de esse ser um dos meses com mais títulos no mercado entre todos os meses do ano, é o mês com menos novidades, na verdade há apenas uma novidade neste mês, o mangá de No Game No Life, da ilustradora Mashiro Hiiragi, que será lançado pela editora NewPOP durante o evento Ressaca Friends. O evento ocorrerá esse fim de semana (dias 20 e 21 de dezembro) em São Paulo. O mangá adapta a light novel de mesmo nome do autor brasileiro Yuu Kamiya, que é casado com Hiragi. A novel também será lançada no Brasil pela editora NewPOP no mesmo evento, inclusive ambos, Kamiya e Hiiragi, estarão nesse evento autografando suas obras e conversando com os fãs, para sorte dos Paulistas (T.T).

Defense Devil, de Youn In-Wan e Yang Kyung-Il – Resenha

Olá galerinha, sou o ALM e bem vindos a mais uma resenha. Hoje falarei de um dos recentes lançamentos da Panini, Defense Devil!

Defense Devil

História

Kucabara é um demônio que foi exilado do mundo dos demônios (Makai) por ser  “bonzinho” demais. E para retornar ao Makai, Kucabara precisa pegar Dark Matter suficiente, para isso Kucabara resolve se tornar um advogado, resolvendo casos das pessoas que são condenadas ao inferno injustamente (Por isso o nome Defense Devil, dã).

E para resolver os casos dos humanos condenados injustamente, Kucabara tem que enfrentar demônios, achar provas da inocência de seu cliente, entre outros.

Análise

Gosto bastante de mangás envolvendo demônios, shinigamis, e coisas do tipo, e gostei também de Defense Devil. A história de Kucabara ser um demônio advogado me agradou um bocado, o desenvolvimento da história também é criativo e explicarei porquê.

Na leitura do primeiro volume, é possível perceber que a história tinha tudo para se tornar repetitiva, isso porquê Kucabara é um “advogado”, e chegaria uma hora que só ver ele resolvendo casos e lutando com demônios ficaria chato, MAS…Temos a introdução de personagens muito carismáticos no decorrer da trama, que trazem novos rumos que o mangá pode seguir sem mudar o foco. Apesar disso algumas partes da história são previsíveis, por exemplo, como ficará a relação de Kucabara com a exorcista Idamaria.

Outro aspecto que vi outras resenhas dizerem que é o ponto forte do mangá é a arte, e eu concordo, ela é demais, os personagens, os cenários, as lutas, tudo é bem feito. Mas se uma coisa não me agradou (Não me agrada em nenhum mangá, aliás) é o ecchi, que no geral só serve para encher linguiça (E tem até uma personagem que só serve para criar cenas desse tipo, mas creio que ela terá influencia na história mais a diante), no  entanto, se você gosta de ecchi, bom para você.

Como já citei, as lutas são bem feitas, porém no geral não me agradaram, não por serem ruins ou coisas do tipo, mas por eu achar mais interessante as investigações dos casos, e as lutas não precisavam ser tão frequentes, mas é um shonen, fazer o quê. As investigações dos casos são ok, é algo do tipo que você ver a conclusão e pense “Puxa, bem bolado” e não algo genial.

E depois de pesquisar um pouco sobre o mangá, vi que ele foi cancelado no décimo volume, infelizmente. Isso pode significar que o mangá teve um final ruim, ou perdeu a qualidade lá pelos últimos volumes, por ter acabado antes dos autores quererem. Mas vai que o final é bom? Vou ficar na torcida.

Quanto ao material, ele está no padrão da Panini, capas internas coloridas, com um papel pior que o padrão da JBC (Se bem que os mangás da JBC são mais caros.). Aproveito agora para sugerir à JBC que aprenda com a Panini e ponha capas internas coloridas em todos (Ou quase todos) os mangás, que é uma coisa que agrada qualquer leitor.

cats

Eu recomendo Defense Devil se você gostar de história com demônios, shinigamis e coisas do tipo, mas se você não gosta, recomendo mesmo assim, no entanto em meio a tantos títulos de qualidade no mercado Brasileiro atualmente, fica difícil escolher. De qualquer forma, Defense Devil é um bom título, com uma boa arte, talvez não esteja entre os melhores lançamentos, mas eu gostei um bocado.

Ah! E a partir dessa resenha darei notas aos mangás!

Defense Devil – Nota: 8.6

Isso é tudo pessoal, até a próxima!

Yu Yu Hakusho, de Yoshihiro Togashi – Resenha

Olá pessoal, aqui é o ALM e farei mais uma resenha, desta vez do recém (re)lançado mangá da JBC, Yu Yu Hakusho do mangaká Yoshihiro Togashi (O mesmo de Hunter x Hunter).

dance-of-yusuke_zpse1c133691[1]

A história

Acho que não precisa nem comentar a história de Yu Yu Hakusho, mas vou comentar do mesmo jeito.

Yusuke Urameshi é um bad-boy como qualquer outro, no entanto ele morre tentando salvar uma criança!! E calma que isso não é spoiler, porque acontece já na primeira página do mangá (O que se for pararmos pra pensar é uma coisa pra lá de original, afinal, quantos mangás você já leu em que o protagonista morre no primeiro capítulo?).

Enfim, quem esperaria que um cara como o Yusuke morreria fazendo um ato heroico? Ninguém, nem mesmo Deus, por isso aparece a carismática Botan (Uma deusa da morte, basicamente) que explica a Yusuke que como ninguém esperava que ele morresse salvando uma criança, não havia lugar para ele nem no céu nem no inferno, e ele poderia escolher entre virar uma alma penada ou fazer o teste da ressurreição e voltar à vida. Mesmo relutante, Yusuke decide fazer o teste da ressurreição e tentar voltar a vida.

Esse plot se difere da história principal, porquê após esse teste, Yusuke se torna um detetive espiritual e vive altas aventuras (Sessão da tarde on)!

Análise

Depois de muitos pedidos, a JBC anunciou Yu Yu Hakusho em uma edição especial. Ok, mas, infelizmente de especial só temos o papel off-set mesmo, nada de impressão nas capas internas ou páginas coloridas, não que isso seja um grande problema, mas, qual o motivo do preço? Outro re-lançamento especial da JBC, Rurouni Kenshin, tem papel Off-set e custa 13,90, enquanto Yu Yu Hakusho custa 14,90. Porque o um real a mais em Yu Yu Hakusho? Não tenho ideia. Falando em material, meus parabéns a JBC que mudou daquela capa antiga (feia, na minha opinião), que tinha um fundo preto, um  logo feio e por algum motivo sobrenatural vindo do além, uma calcinha atrás do logo. Agora a capa é mais elegante, limpa e com um logo sensacional (confira a nova capa clicando aqui). No geral, é um material de alta qualidade se comparar com outros mangás.

Apesar do preço, comprar Yu Yu Hakusho vale a pena, e muito! A história é interessante, muito divertida, engraçada e com certeza emocionante (nesse primeiro volume por exemplo, temos a história de um velhinho que estava para morrer e essa é com certeza uma das melhores partes da edição). A arte é o que podemos chamar de “exótica”, é meio diferente, mas combina muito com a história, e acho “engraçado” também que a arte se altera dependendo do momento, dá a impressão que são diferentes autores desenhando. Outro aspecto positivo da arte são as expressões faciais, sempre bem expressivas (no sentido de passar bem as emoções).

Vale lembrar que quando elogio a história, falo do primeiro volume, já que nunca vi o anime ou li o mangá, resta saber como Togashi desenvolveu o mangá a partir do segundo volume, espero que só melhore.

A JBC também revisou a tradução do mangá, que anteriormente foi feita baseada na versão brasileira do anime (com todas aquelas frases clássicas, como: “Rapadura é doce mas não é mole não”, “Ta pensando que berimbau é gaita?” e etc) para fazer uma tradução mais próxima ao original, o que não é problema algum, para alguns pode até ser um ponto positivo, mas, infelizmente não veremos as frases do anime novamente no mangá.

Yusuke

Então você me pergunta: Vale a pena comprar? Sem dúvidas, o papel é de qualidade, o conteúdo mais ainda e com certeza Yu Yu Hakusho merece o título de clássico. No final da leitura você não vai nem se importar com o preço gasto, mas caso você já tenha lido o mangá não há necessidade de comprar essa nova edição, e caso você não tenha lido, pode-se dizer que é algo indispensável (se a série continuar com a qualidade do primeiro volume). A edição 1 ainda está nas bancas (até o dia 24 apenas se não me engano), e o 2 está para chegar.

Foi isso pessoal, você já leu Yu Yu Hakusho? Comente aí sua opinião! Até a próxima.

Crime e Castigo, de Osamu Tezuka – Resenha

Olá pessoal, tudo certo? Meu nome é ALM e passarei a postar no AP a partir de hoje, pretendo fazer resenhas, críticas de mangás e coisas do tipo. Começando hoje com uma resenha do mangá Crime e Castigo, de Osamu Tezuka publicado a algum tempo pela NewPOP.

Crime e Castigo

Crime e Castigo, na verdade é um clássico livro russo, escrito por Dostoiévski, mas comentarei aqui da versão em mangá escrita por Osamu Tezuka (Deus dos mangás, para os mais íntimos).

A história


Raskolnikov é um estudante pobre, precisando de dinheiro ele vai até uma velha agiota pedir dinheiro emprestado. Percebendo a personalidade egoísta e maldosa da velha, que faz de tudo para pegar o máximo de dinheiro de pobres (Como Raskolnikov), Raskolnikov começa a pensar que para as pessoas más, o dinheiro vem aos montes, enquanto para pessoas como ele, mal tem dinheiro para estudar. E que diferença essa velha maldosa faria no mundo? Pensando nisso Raskolnikov assassina a velha, e pega seu dinheiro, acreditando estar sendo justo.

Mais tarde, a polícia chega na cena do crime e vê um pintor com um relógio dourado (Que Raskolnikov deixou cair durante a fuga) e o prende, acreditando que ele que matou a velha. A partir disso, Raskolnikov fica em um dilema moral, é certo matar alguém por sua maldade? É certo deixar um inocente ser incriminado por uma coisa que ele não fez? E a trama vai se desenvolvendo de uma maneira muito inteligente.

Análise

Crime e Castigo é uma daquelas obras para pensar, que você lê de novo só para captar melhor a mensagem passada (Pelo menos eu fiz isso, hehe), e o jeito que Tezuka conduz a história, o jeito que Raskolnikov lida com a situação, é inteligentíssimo, e para quebrar a tenção de vez em quando temos algumas cenas de humor (Umas engraçadas, outras não).

A arte é a normal do Tezuka, no começo você pode estranhar e achar ruim se comparar com as de hoje (E realmente é, quando comparada as de hoje), mas temos que considerar que é uma arte de mais de 50 anos atrás, e ao decorrer da leitura você se acostuma.

A qualidade física da edição da NewPOP é ótima, papel Off-set e capa com orelhas, um aspecto que me incomodou foi o desenho da capa, que não sei porque, mas está com uma qualidade estranha. O preço também é bem alto para um material de 130 páginas, 24,90 , mas considerando a qualidade da história e do material, pode até valer a pena.

capa_crime_e_castigo[1]

Crime e Castigo tem uma história muito boa, e o material da edição nacional da editora NewPOP também é muito bom, não chega a ser um obra prima ou algo fantástico, mas vale o gasto. E se você quiser conhecer um pouco da obra do Deus dos mangás, pode ser bom começar por aqui.

Só mais um comentário, minha opinião não é a final, obviamente, se eu gostei de um mangá, você pode não gostar, cabe a você decidir!!! Ah, também gostaria de receber críticas sobre minhas críticas (que), para que eu possa melhorar cada vez mais. Um abraço a todos ^^