O ogro azul dos fãs de anime e mangá…

Arquivo para a categoria ‘Matérias Especiais’

Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás – Novos Resultados

One Piece ainda é o shounen mais visado do projeto...

One Piece ainda é o shounen mais visado do projeto…

Olá a todos! É com grande prazer (ainda mais pelo trabalho que já deu e que ainda dará) que lhes trago novas informações sobre os resultado do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás. Não irei me alongar muito até porque estou bem cansado com o tempo que perdi hoje preparando as informações que já divulgarei nesse post. Enfim, hoje trago-lhes uma análise sobre os resultados de Agosto 2014, os últimos que saíram, porém não é apenas isso…

118340

Campeão absoluto de agosto, a nova versão de Berserk é o mangá preferido pelos homens de todas as idades e um dos preferidos entre as mulheres…

Como já havia informado em outros posts, eu criei um banco de dados para adicionar as informações do projeto, porém meu tempo escasso não permitia que eu parasse para consolidar o mesmo e gerar as primeiras consultas, no entanto finalmente eu pude fazer isso na última semana começando a análise dos dados mais recentes do projeto, que são os do mês de agosto. Além disso, a algum tempo venho pensando em como faria para ter uma interface padrão de divulgação desses dados e finalmente cheguei em uma primeira resposta, que não é a melhor visualmente, mas que atende a praticamente todas as necessidades permitindo uma colaboração de todos interessados e contendo o máximo de informações que eu julgo importantes a princípio.

Enfim, vamos aos resultados, ou melhor, a divulgação de como vocês podem acessá-los, pois a análise dos resultados será a partir de hoje compartilhada como uma planilha do google drive que pode ser acessada clicando aqui. Além dos dados da planilha, ainda serão criados gráficas para facilitar a visualização dessas informações, mas isso pode demorar um pouco.

Sem título

Clique na imagem para ampliar

Acima vocês podem ver o layout do documento. Na parte inferior dele é possível ver uma série de abas e elas representam qual o grupo principal de informações tratado em cada uma delas, vale ressaltar que a tabela não contém dados brutos, mas uma série de resultados já obtidos dos dados do formulário, como por exemplo, a informação de que no mês de agosto 2014 o gênero de mangás preferido foi Ação e o menos selecionado foi Comédia Romântica. É possível perceber também nessa aba de informações gerais que agora podemos verificar os resultados por gênero e demografia dos mangás, assim é possível saber quais shonens de esporte são os preferidos, ou quais os seinens mais agradaram o público e etc. Na aba Mangás lançados é possível ver uma lista de todos os mangás já inclusos na base de dados, bem como qual a demografia, dois dos gêneros que o mangá englobam, qual a editora que o lançou, qual os volumes desse mangá que foram lançados e quando eles foram lançados.

Outra informação que podemos gerar dos resultados já presentes na planilha é o gráfico acima que foi obtido com os dados da aba Mangás. Ele mostra a quantidade de vezes que cada um dos mangás foi escolhido no mês de agosto de 2014 (passe o mouse por cima de cada barra para ver os números).

Super Onze não anda muito bem nos resultados no projeto...

Super Onze não anda muito bem nos resultados no projeto…

Com o tempo irei adicionando os dados de todos os meses do projeto e agora que finalmente consolidei o banco e que já gerei as consultas que trazem as informações dessa planilha, não devo demorar muito mais para divulgar os demais resultados, ao menos pretendo ainda esse mês já colocar as informações de setembro de 2014. Caso queiram indicar gêneros novos para os mangás ou caso achem que tem alguma outra informação que deveria ser posta na planilha, favor enviar e-mail para conhecendoomercadodemangas@gmail.com. Irei divulgar as atualizações da planilha nas edições do Kyon News,  via facebook e via twitter (@AnimePortfolio).

Finalizando, no menu lateral foi adicionado um atalho para os resultados. Espero que essas informações lhe ajudem a compreender melhor o mercado nacional de mangás!

Anúncios

AP Live #3: Shin Sekai Yori – parte 1

Vejam todos as edição do AP-Live clicando aqui

AP Live #2: Casais em Animes: Shounens de Batalha

Análise da enquete: Você ver animes em algum serviço de streaming oficial como Crunchyroll, Daisuki, Netflix e Crackle?

Sei que esse texto já deveria ter saído, mas nem sempre as coisas funcionam como esperamos,  mesmo assim cá estou para lhes trazer o segundo texto da coluna que só existe porque vocês fornecem suas opiniões, a Análise da Enquete. No texto de hoje analisarei a enquete em que tento descobrir o quão interessados por serviços de streaming oficiais estão os leitores do blog. A enquete ficou quase 1 ano no ar e acredito que os resultados estejam, de fato, bem plausíveis com o pensamento geral de leitores de blogs de anime e mangá. Enfim vamos à análise.

Você ver animes em algum serviço de streaming oficial como Crunchyroll, Daisuki, Netflix e Crackle?

Cliquem na imagem para ampliar

Cliquem na imagem para ampliar

A primeira constatação que podemos tirar desse resultado é que  a grande maioria daqueles que veem animes no brasil, ainda preferem os ver por meio de fansub, o que demonstra duas coisas, primeiro que a maioria dos fãs de animes ainda tem um certa resistência a ver animes via streaming e segundo que a máxima de que os sites de streaming iriam acabar com os fansubs é de fato uma “grande besteira”, porque se isso fosse um fato, acredito que a diferença entre quem ver só em fansub e quem ver em serviços de streaming oficiais seria menor, pois acho difícil que os fãs fossem parar de ver anime só porque esse anime apenas está disponível via serviço de streaming oficial, até porque, com exceção do Netflix, os demais serviços de streaming citados oferecem também a maior parte de seu acervo gratuitamente.

“Ah mas se você considerasse os serviços de streaming não oficiais como o Anitube isso iria mudar!”. Talvez no futuro eu tente verificar os serviços de streaming não oficiais, mas aí as questões serão completamente diferentes e tem mais a haver com o quão os fãs de anime apoiam fansubs ou se eles apenas se  beneficiam de seu trabalho, por isso não vale a pena misturar serviços de streaming não oficiais, com serviços oficiais. Aliás, volto a salientar que a enquete é sobre serviços de streaming oficiais, o que não significa pagos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nota-se também que a maioria das pessoas que veem animes por serviços de streaming oficiais, o fazem após assinarem e pagar o serviço, aparentemente isso pode ser porque o valor, em geral, dessas assinaturas não são tão caras, ou por achar que o serviço gratuito oferecido não vale a pena, mas aí entra a questão de comparação com muitos materiais não oficiais ainda oferecidos que tem uma qualidade similar ou inferior ao que pode se visto gratuitamente através destes serviços. Por exemplo, o Crunchyroll oferece animes gratuitos em formado SD, que tem um qualidade similar, acredito que até um pouco superior, ao 360p do youtube, ao padrão dos reencodes em mp4 e a qualidade que normal do Anitube (sei que não ia comparar os serviços oficiais com os não oficiais, mas estou falando só da qualidade de imagem e áudio). “E como você sabe disse Evilasio? Eu sie que você assina esse serviço, então não venha me dizer que ver em formato SD os seus animes”. Eu de fato não vejo animes em SD no Crunchyroll, mas vejo doramas e também já usei o anitube, por isso a comparação, mas antes de mais nada, não estou criticando o Anitube ou reencodes em mp4, só estou comparando o quesito qualidade de vídeo e áudio para tornar mais rica a discussão sobre essa questão da qualidade das séries gratuitas de serviços oficias de streaming. Por último, tanto o Crackle quanto o Daisuki não fazem uma restrição de qualidade para os animes que disponibilizam gratuitamente.

Com relação a grande questão da tradução e adaptação das legendas que muitos criticam. A priori quem fala que ver anime em inglês ou em outra língua não pode usar esse argumento como o porquê de se usar ou não um serviço de streaming oficial, pois todos costumam disponibilizar os animes sem legendas ou com legendas em inglês também (alguns também em espanhol, alemão, russo, chinês e etc),  alguns até dublados em inglês, português ou outra língua. Com relação a qualidade de tradução, acho que o único serviço que parece de fato ter uma qualidade melhor de tradução que a dos “bons fansubs” é o Netflix, quando ele não disponibiliza o anime apenas dublado. O que não significa que a tradução e adaptção dos outros serviços de streaming sejam ruins ou péssimas, mas que os tradutores costumam cometer erros similares a de fansubs que não dão tanta atenção a revisão e por isso alguns desses erros são repassados aos assinantes do serviço, mas nem o Daisuki que me parece ter a tradução mais fraca para português, dos poucos animes que tem em português, é tão pior que os fansubs com qualidade mediana. Sendo que a maioria, sim a maioria, das pessoas que veem anime de fansubs veem dos famosos speedsubs costumam ter uma qualidade de tradução e adaptação fracas.

E quanto ao acerrvo? Enfim, a grande questão a ser tratada parece mesmo ser o fato de esses serviços terem um acervo de animes ainda muito pequeno. Cada serviço tem sua estratégia para atrair novos clientes, a mais elogiada é a do Crunchyroll e do Daisuki que disponibilizam animes que estão sendo exibidos no Japão, sendo que cada episódio se torna disponível poucas horas depois do mesmo ser apresentado nos canais da tv  japonesa ou canais japoneses de internet, além disso, esses serviços também disponibilizam alguns especiais que apenas foram lançados fisicamente via Home Vídeo. O Crcakle, o Netflix, a Claro tv e outro disponibilizam apenas séries completas. O Netflix (Acho que em menor escala o Crunchyroll e o  Daisuki também) começou a investir no apoio financeiro à produção de certos animes para os tornar séries originais e provavelmente exclusivas dele, como é o caso de Sidonia no Kishi. Claro que mesmo somando o acervo de todos os serviços oficiais de streaming do mundo não teríamos nem a metade dos animes que há disponíveis via fansub pela internet.

Pessoalmente eu acho prático usar serviços de streaming oficiais e por uma quantia pequena, pequena mesmo, assino o Crunchyroll e o Netflix, mas como nem todos os animes que vejo são disponibilizados via esses serviços, também utilizo fansubs, mesmo preferindo não encher mais meu HD de arquivos de vídeo. Usar ou não um serviço desses não é bem uma questão de se estar certo ou errado, embora ao assinar um serviço desses, você está fornecendo uma pequena colaboração para a equipe que criou o anime, o que particularmente para mim já justifica a assinatura, pois me deixa com uma sensação de ter ajudado a  indústria de animes um pouquinho mais e sem que isso afetasse consideravelmente minha renda. Acredito que cada um tem a sua opinião sobre o porque usar ou não um serviço de streaming, apenas acho que, sempre que possível, é importante testar os serviços disponíveis para verificar se realmente não vale a pena assinar nenhum deles e caso chegue a conclusão que não vale, então não assine.

Sobre a enquete atual do blog

A enquete atual, que vocês podem ver no menu lateral do blog, deve continuar no ar até o dia 12 de setembro (sexta-feira). No dia 13 setembro postarei uma nova enquete e entre os dias 15 e 22 de setembro eu devo apresentar o texto de análise da enquete que estará no ar até dia 12 de setembro.

AP Live #1: Indicações de Animes Baseados em Light Novels

Animes comentadas:

  • NHK ni Youkoso
  • Suzumiya Haruhi no Yuutsu
  • Suzumiya Haruhi no Shoushitsu
  • Sword Art Online
  • Baccano
  • Accel World
  • Seirei no Moribito

Análise da enquete: Qual o maior problema de mangás lançados no Brasil?

Olá a todos! Hoje estreia uma nova coluna feita para resolver o problema de como utilizar melhor os resultados das enquetes aqui do blog, a coluna Análise da Enquete, que obviamente é um título muito simples e literal, mas é o que temos no momento. Enfim, a ideia dessa coluna se resume em uma análise que farei sobre os resultados das enquetes que posto no blog que deve (quase) sempre ser postada em algum dia da segunda semana de cada mês (ou do calendário que fiz para o blog).

mangas-1024x768

Colecionar ou não colecionar, eis a questão?

“Ah Evilásio, a enquete atual não corresponde a do título desse post, você Errou…”. Nesse primeiro mês irei fazer dois textos, esse, que é correspondente a enquete que ficou no ar por quase todo o primeiro semestre do ano passado e o outro, postado na quarta semana do mês, que corresponde a última enquete que saiu do ar, referente a serviços legais (no sentido de respeitar a lei) de streaming. No fim deste post apresento a nova enquete postada  hoje e que ficará online até o dia 12 de setembro. Sem mais delongas, vamos a análise, que não será tão longa (espero eu), por ser mais informal e ter o intuito apenas de reforçar a discussão.

Qual o maior problema de mangás lançados no Brasil?

Clique na imagem para ampliar

Clique na imagem para ampliar

Primeiramente queria apresentar trechos de um comentário deixado por uma pessoa que respondeu a enquete que corrobora com a opinião de muitas pessoas que criticam os mangás lançados no Brasil. antes vale mencionar que esse comentário surgiu de uma resposta a uma pessoa que questionou o fato de muitas outras selecionarem a opção “qualidade do papel” que acabou ficando em segundo lugar como problema mais votado (admito que também me impressionei com o resultado). Enfim o comentarista disse:

“A qualidade do papel é horrível e isso deteriora a qualidade da imagem, além das páginas ficarem amareladas rapidamente. A edição pior ainda, pois não se tem o minimo cuidado, eles simplesmente selecionam uma área e deletam, parece que foi editado no paint, quem comprou Inuyasha sabe do que estou falando. A tradução ainda da pra relevar, o preço porém é ridiculamente alto…  pelo preço que as editoras pedem é melhor importar os mangás de editoras americanas que saem com uma qualidade muito maior por um preço muito semelhante, além de oferecerem uma variedade de títulos maior.”

De fato é comum se olhar para fora e comparar os mercados e ainda que muitas das coisas que falam por aí sejam falácias é inquestionável que a variedade de mangás lançados em inglês (e acho que também em espanhol, mas não necessariamente na Espanha) é bem maior do que em português. Já com relação a qualidade, depende muito das editoras que lançaram a obra, pois tem muito material lançado lá fora que é uma bela porcaria, mas também tem muito material de qualidade louvável.Com relação ao preço, convertendo os valores médios de mangás nos Estados Unidos para reais, fica bem parecido com o preço dos mangás lançados aqui, tal como o comentarista citou. E quanto a tradução, isso é um problema que ocorre tanto aqui quanto nos Estados Unidos, quanto na Espanha, quanto na França e etc.

Enfim, queria apenas começar por essa questão para deixar claro que a comparação não é totalmente inválida, mas tem muitos fatores que devem ser levados em consideração que fogem da proposta da enquete. Para terminar essa questão da comparação, gostaria de citar que vez por outra escuto essa mesma questão ser discutida em um podcast espanhol (feito por espanhóis) sobre anime e mangá que eu escuto (às vezes), o que prova que ela não é uma exclusividade do Brasil, ou seja, não é só aqui que se fala que a qualidade e o preço dos mangás em outro país viabilizaria mais a importação da obra do que a compra da mesma no país natal da pessoa que está falando. Por sinal, mangá na Espanha parece ser caro mesmo e olha que a variedade lá não é tão grande assim não.

mangas

Agora deixando de lado os argumentos do nosso querido comentarista (até porque eu não coleciono Inuyasha, pois não gosto) vou me focar nos resultados da enquete.

Com relação a Baixa qualidade de impressão acho que talvez a maioria das pessoas não veja esta questão como um problema tão frequente, porque achei estranho tão poucos votos, incluindo o meu, pois nada me irrita mais que pegar um mangá com balão cortado, com uma imagem difícil de entender ou com páginas invertidas (sim, isso acontece). Atualmente não lembro de erros como esse nos últimos 3 anos (só meu primeiro Dragon ball edição definitiva que tem a contra capa de cabeça para baixo, acredito que por isso ele era prêmio do anime quiz que ganhei, ou será coincidência?). Enfim, acho que esse problema foi quase que resolvido nos últimos tempos.

Com relação a Tradução, que para mim é segundo maior problema, pois erros são mais comuns do que deveriam, deve-se também levar em consideração que muitas pessoas criticam a  adaptação de certos termos e isso não é o problema em si. Pelo menos isso se trata de uma escolha da editora que  normalmente é estranhada no começo, mas ao longo do tempo é comum os leitores passarem a aceitar e às vezes até acharem muito boas essas adaptações. Por exemplo, a princípio, eu tive uma certa birra com o fato de a JBC ter utilizado “Dr. Morte” em vez de “Shinigami-sama” no mangá Soul Eater, mas hoje eu acho bem maneiro essa “versão nacional”, aliás ainda bem que não apenas traduziram, pois ficaria algo como “Senhor Ceifador”, ou “Senhor Deus da Morte”, ou apenas “Deus da Morte”, enfim não ia ficar legal nem ia caracterizar bem o personagem.  A tradução e adaptação se torna um problema quando ela descaracteriza e/ou muda o sentido de certas frases do mangá e quem costuma ler mangás em outras línguas saca logo erros como esse, mas a grande maioria dos leitores passa despercebido e acredito que por isso também não tenha sido uma opção muito votada.

Com relação a “polêmica” Baixa qualidade do papel, hoje em dia eu nunca mais percebi nada do tipo, apenas quando compro mangás mais antigos. Acho que as editoras perceberam que fica feio para elas e que o público aceita gastar uns 50 centavos ou até 1 real a mais por um papel um pouco mais descente. Agora, que isso já foi um problemão, isso foi, aliás quem coleciona mangás de 4 anos para trás, sofre bastante para conservá-lo. Apenas para não dizer que não existem exemplos ainda hoje desse problema, a versão meio-tanko de Evangelion tem uma qualidade de papel muito boa, mas a versão tankobon (a mais nova) tem um qualidade  de papel consideravelmente questionável, vejamos se isso continuará quando sair o último volume.

Por último, porém mais relevante dado a quantidade de pessoas que elegeram esse como o maior problema do mercado nacional, falemos do famigerado Preço. Enfim, os mangás nacionais valem o preço que custam? Será que são caros de mais? Inquestionavelmente o Novo Vagabond é muito mais caro do que vale? (Essa última questão, eu Acho que sim). O Preço de um mangá é uma coleção de “pequenos” preços de outras coisas, incluindo o valor do licenciamento, do papel, da impressão, do custeio do trabalho da editora (tradução, adaptação, edição, revisão e etc), das ações de marketing, da distribuição, do quanto o dono da banca terá de lucro e do quanto a editora terá de lucro real. Aliás é importante destacar que o Brasil, pelo seu tamanho e pelo fato de que quase todo transporte é rodoviário, tem um custo de distribuição elevadíssimo. Enfim, não é barato vender qualquer que seja o material impresso no Brasil, masque o valor dos mangás em si é elevado não há o que questionar, acredito que a o principal questionamento é se a qualidade da obra vale o preço que pagamos, pois pagamos praticamente o mesmo, talvez um pouco mais, ou um pouco menos, que a média dos valores dos mangás na América do Norte e na maior parte da Europa. Hoje em dia eu acredito que o preço médio ideal para os mangás publicados no Brasil, com exceção das edições mais luxuosas, seria entre 8 e 13 reais, mas essa é uma especulação baseada no material daqui e no material que conheço publicado em outros países.

Enfim, quem quiser, continue a discussão nos comentários, afinal são as críticas que movem a internet, não é mesmo?

A NOVA ENQUETE

A nova esquete que publiquei hoje corresponde a velha questão do que vem primeiro na vida de um otaku: O Mangá ou o Anime? Não deixem de votar e o façam o quanto antes, pois lembro que a enquete só deve ficar no ar até o dia 12 de setembro.

Projeto de Hangout do Anime Portfolio (Ainda sem nome)

Era pra ser dez minutos, mas acabou sendo uma hora… De qualquer jeito está o ar o episódio piloto da nova série de Hangouts do Anime Portfolio inaugurando seu canal oficial do Youtube. Nessa série vamos falar sobre temas relacionados a animes e mangás em geral. As gravações devem ocorrer sempre a cada duas semanas nas terças às 21:00.

Nesta primeira falamos sobre nossos animes preferidos no momento, ou quase isso…

Enfim, ainda não temos um nome para o projeto então deixem nos comentários suas sugestões de nomes e temas e se quiserem participar com algum tema específico, nos envie um e-mail (bloganimeportfolio@gmail.com) e veremos  a disponibilidade e um terça para gravarmos.