O ogro azul dos fãs de anime e mangá…

Posts marcados ‘Death Note’

Pensador Otaku: Como vemos os animes com o passar do tempo?

Boa noite! Boa madrugada! E bom dia! Está no ar mais uma edição da coluna mais pensante e pessoal desse blog. Bem vindos a meu cantinho do pensamento! Aconchegue-se em um poltrona e beba um pouco de chá, café ou cappuccino antes de começarmos a confabular sobre o tema dessa edição!

Você meu caro leitor com seus mais de 20 anos, provavelmente à tempos atrás nunca imaginaria que o youtube poderia ser uma dos melhores players de músicas gratuitos da internet (Sim! Eu estou ouvindo música de minha playlist de animes no youtube!). O tempo voa, as perspectivas mudam, as facas ginsu já não cortam como antes e aquele produto que mascarava arranhões de carros, fazendo seu veículo ficar mil dólares mais valioso, já não atrai mais tanta atenção (saudades de esperar a hora dos animes na Manchete…). Enfim, o mundo muda e nós mudamos com ele e o que mais muda é o nosso jeito de ver as coisas. A um tempo atrás tudo que a franquia Velozes e Furiosos precisava para chamar a atenção era meia dúzia de carros tunados e umas cinco ou seis corridas em alta velocidade no meio das ruas estranhamente vazias de Los Angeles ou New York. Agora certos filmes de Transformers tem menos ação e menos explosões que os mais recentes Velozes e Furiosos.

O passado que o presente não nos permite esquecer...

O passado que o presente não nos permite esquecer.

Claro que nossa forma de ver animes com o passar do tempo também muda drasticamente e é impressionante ver novas pessoas nesse universo gostando daquelas obras novas que não conseguimos mais encarar, enquanto que algumas pessoas de gerações mais recentes defendem que no passado os animes eram melhores. É  engraçado rever um anime mais de cinco anos depois e perceber o quanto amava aquela série que hoje não parece nada especial e o quanto odiava aquele anime que hoje é uma de minhas obras preferidas.

Meu anime preferido atualmente é One Piece, porém apenas para conseguir passar dos quatro primeiros episódios eu demorei cerca de cinco anos. Há alguns anos comecei a reler o mangá dessa série e é incrível como tudo aquilo que eu achava chato, repetitivo e arrastado, agora me parece tão essencial, que sem aqueles primeiros arcos eu não consigo me ver gostando tanto dos personagens como gosto hoje. Algo muito similar aconteceu com Full Metal Alchemist, apesar de que menos de um ano foi necessário para observar a grandeza da obra. Por outro lado, todo aquele meu fanatismo por Evangelion, que acompanhou mais de dez anos da minha vida, hoje se resume muito mais a saudosismo e respeito do que a prazer e embora eu ainda me empolgue com os novos filmes da franquia, eu não consigo mais falar que a série de tv, que eu adorei e revi tantas vezes, é boa. Ainda assim a Asuka é minha personagem preferida de todos os tempos!

Esse senhor formou parte do meu caráter...

Esse senhor formou parte do meu caráter…

Agora o que mais me impressiona é com relação as características e aos gêneros de anime que, em certo momento da minha vida, me agradaram tanto e que hoje eu não consigo ver. Além das características e gêneros de anime que não apreciava na infância e adolescência e que hoje eu imploraria para ver de volta. O que me faz perceber que por incrível que pareça, a maturidade que eu ganhei, e que muitos de minha geração, e de uma ou duas gerações depois, ganharam, me faz apreciar obras mais antigas muito mais do que na época em que elas nem eram tão antigas assim.

Um exemplo são as séries de anime policias que muitas vezes misturavam mecha e fantasia e que eu não conseguia gostar na infância, como por exemplo City Hunter, e que hoje eu acho incríveis e detentoras de um humor e de uma narrativa tão interessante que me fizeram redescobrir e adorar ainda mais o gênero Noir (o gênero Noir, não o anime Noir, que eu ainda não gosto). E quanto àquelas ficções científicas malucas dos anos 80 e 90 que eu adorava quando se tratavam de filmes, mas quando eram animes me pareciam tão estranhas que eu não conseguia gostar. Hoje eu as venero como se fossem a oitava maravilha do mundo, apesar de que Detonator Orgun, M.D. Geist e boa parte das obras do U.S. Mangá hoje em dia são intratáveis.

Olha eu reclamando da quantidade de animes de gato na temporada atual e... OK! Gatos são legais!

Olha eu reclamando da quantidade de animes de gato na temporada atual e… OK! Nekomimi são legais!

É importante ressaltar que nem tudo na maturidade se trata de de trocas de gostos e da formação de uma opinião mais sólida sobre as obras que antes eram incríveis e que hoje não parecem nada de mais (Um Abraço Cavaleiros dos Zodíaco!). A maturidade e a experiência ao ver tantas animes (sem querer me gabar, mas são mais de 1300 animes. Se bem que eu conheço um pessoal com 4000 fácil!) me fez apreciar melhor certos detalhes e rever um anime muitas vezes se torna uma experiência completamente nova. Eu ainda me surpreendo toda vez que revejo alguns episódios daquelas comédias colegiais despreocupadas da primeira metade da década passada, como Azumanga Daioh, que me fazem rir que nem um maluco e muitas vezes por motivos que eu nunca tinha reparado antes. Na obra supracitada há uma cena absurda em que uma personagem troca uma frigideira por uma faca e quase mata sua professora. Eu juro que na época que vi esse anime a primeira vez eu não entendi a piada, mas hoje ao mencioná-la aqui eu não consigo parar de rir.

Ainda sobre o como a maturidade e a experiência ao ver animes melhorou meu jeito de vê-los, hoje eu consigo ver o lado irônico e positivo de seriados bizarros e trashs como Jojo’s Bizarre Adventure, que vão além do nonsense que eu sempre adorei. E eu passei a gostar ainda mais do nonsense agora que eu consigo identificar o sub-texto por trás de vários dos elementos dessas obras. Hoje eu aprecio muito mais uma obra que me faz parar e pensar horas e horas sobre o assunto, enquanto que antigamente eu apenas queria ver lutas e mais lutas.

Essas fadinhas...

Essas fadinhas…

Um ônus relacionado a experiência ao ver muitas obras, porém, é a saturação com relação a certas coisas que um dia eu já gostei muito, ou pelos menos um pouco, como o ecchi, as obras colegiais, o slice of life  e os animes com muita ação. Hoje se esses elementos são muito importantes para a obra, eu já tenho um pé atrás com o anime e embora haja obras ainda muito boas com essas características sendo lançadas hoje em dia, eu não consigo mais me empolgar tanto se não houver algo diferente que me atraia nesses animes.

Em contra partida, uma outra vantagem, é que hoje eu não vejo mais só a história e a animação como os elementos mais importantes de um anime e consigo apreciar muito mais uma dublagem bem feita, uma trilha sonora envolvente, um design de personagens bem feito e/ou diferente do convencional, um cenário bem desenhado, efeitos de luz bem aplicados e outros elementos que praticamente passam despercebido de você quanto é mais jovem,  que vale para todo e qualquer produto de mídia visual.

tumblr_mdmhxmTyWS1qa5504o1_500

Imaginem a musiquinha do Zelda quando você pega a Master Sword

Eu poderia ficar aqui por horas e horas falando da minha visão sobre animes quando era um jovem Sasahara_Onishi e como agora é outra ao ser um minimamente mais experiente JuniorKyon, mas a ideia desse texto, como a dos outros textos dessa coluna, não é nem criticar, nem necessariamente ensinar algo. Tudo que eu espero com esse texto é ter aberto um pouco a mente dos leitores para que possam refletir sobre o tema aqui apresentado e ver que é natural gostar mais de um anime antigo hoje em dia e também desgostar de um anime que amava antigamente. Em cada época de sua vida a sua visão sobre algo não é certa ou errada, na verdade ela depende das suas vivências. Claro que uma pessoa mais madura e experiente consegue atentar a mais questões que uma pessoa mais jovem, porém essa mesma pessoa é provavelmente menos aberta a novas descobertas. Talvez por isso seja tão importante manter sempre integrada as diversas gerações, já que nem sempre apenas uma visão é adequada.

Vale ressaltar que muita gente abandona os animes a medida que amadurece, será que essas pessoas também tem uma visão tão mudada sobre os animes que viam na infância e adolescência em detrimento de algum episódio aleatório de um anime que viu hoje em dia? Eu me pergunto isso porque eu acho estranho meu antigo chefe, que não via anime na adolescência, gostar de Naruto e não de Death Note, enquanto que eu acredito que o segundo é bem mais interessante que o primeiro exatamente devido a algumas questões que só percebo por ser um adulto (Hoje em dia eu acho Death Note mediano e não gosto de Naruto, mas respeito quem gosta! Morte aos rótulos, naruteiros não mais!).

É difícil aceitar que a proposta dele é racional. Felizmente a moralidade  o respeito a vida e me faz desgostar desse personagem.

É difícil aceitar, mas a proposta dele é racional. Felizmente a moralidade o respeito a vida me faz desgostar desse personagem.

Para finalizar, espero que tenham gostado do texto e se possível coloquem nos comentários o que pensam sobre essa mudança de visão sobre os animes pela qual passamos a medida que amadurecemos e que ganhamos mais experiência. E antes que me taxem de muito velho por tudo que citei no texto, eu estou prestes a completar apenas a minha 27ª primavera.

 

Extras de Mangá #5: Algumas vantagens e desvantagens dos mangás curtos lançados no Brasil

Está no ar (após um longo hiato) a nova edição da coluna mais fanboy deste blog, ou quase. Aqui o assunto é mangá e somente mangá (mais ou menos).

Hoje irei compartilhar um pouco da minha opinião com relação a vantagens e desvantagens de se publicar mangás curtos aqui no Brasil. Para restringir o que eu compreendo por curto com relação a mangás, falarei neste texto de mangás que possuem no máximo 6 volumes. Enfim, vamos adiante.

Uma obra completa do Miura... finalmente consegui.

Uma obra completa do Miura… Finalmente consegui!

Podemos afirmar que a maioria dos mangás lançados no Brasil são de média ou longa duração, sendo obras com 10 ou mais volumes, isso porque naturalmente as editoras optam principalmente em lançar obras que já são famosas que vão lhe dar lucro por um longo tempo e isso não é nenhum problema, pois é até mais comum que bons mangás durem mais no mercado editorial japonês. Claro que ser bom é algo subjetivo e que o mais correto seria dizer que um mangá é popular, mas quando quase ninguém gosta de algo, isso é um indicativo de que essa não é uma boa aposta a ser feita. A questão é que ainda são lançados no Brasil mangás curtos e do ponto de vista de um leitor de mangás ocidental há uma série de vantagens e desvantagens relacionadas à essas obras.

Uma desvantagem é o fato de que quando a obra não é de um autor já consagrado no país, mesmo que você goste do mangá e com isso passe a querer mais obras do autor desse último, é pouco provável que a série venda bem “a não ser que essa obra tenha sido adaptada para anime”. Entre os exemplos que posso citar, temos o excelente Solanin de Inio Asano, que possui apenas dois volumes e que saiu no Brasil pela editora L&PM, que até fez uma campanha mínima de marketing, mas que aparentemente não conseguiu um retorno tão lucrativo. Vale ressaltar que Inio Asano é o mesmo autor de Oyasumi Pun Pun, outra excelente obra, muito bem-quista pelas pessoas na internet, e que sinceramente só irá ter chances de sair no Brasil se for por outra editora e ainda assim são poucas as chances. Claro que também existem as exceções, como o mangá Spicy Pink de Wataru Yoshizumi, que é um josei de apenas dois volumes e que passou despercebido pelo grande público, mesmo assim há pelo menos mais duas obras da autora no Brasil, Ultramaniac e Marmalade Boy. Provavelmente o motivo deste mangá ter sido lançado no Brasil foi devido ao sucesso pontual das outros obras da autora, e por ter saído numa época em que a Panini ainda investia mais em jousei e em shoujos.

Outra desvantagem é o fato de muitos mangás curtos lançados no Brasil não terem o mesmo marketing que obras mais longas, mesmo necessitando bem mais desse marketing. Atualmente editoras como a NewPop e a JBC passaram a publicar com mais frequência obras curtas. Percebe-se que essas editoras estão tentando equiparar o marketing de obras curtas com o que fazem para obras mais longas, enquanto que vejo pouco trabalho nesse sentido vindo da Panini, mesmo ela ainda publicando excelentes mangás curtos como o Gigantomachia, do qual vem a imagem que estampa o topo desse post.

agehaClaro que nem só de ônus vive nosso mercado com relação a obras curtas, na verdade existem várias vantagens tanto para leitor quanto para editora. Uma dessas vantagens está no fato de serem obras em que o investimento é menor e que um mal desempenho não é capaz de gerar uma crise numa editora. Para o leitor, o custeio de uma obra pequena é sempre menor do que de uma obra mais longa. Além disso, por ser menor o risco para a editora, há mais chances de se apostar em gêneros menos famosos. A JBC praticamente recriou um mercado de obras de suspense e terror ao apostar em séries como Another e Senhor dos Espinhos, além da série de média duração, Diário do Futuro. Agora praticamente essa editora sempre está com ou dois títulos dos gêneros terror e suspense em seu catálogo mensal. A Panini a alguns anos costumava apostar em obras jouseis e shoujos curtas, geralmente de romance, mas isso não ocorre mais.

Outra vantagem é que vários autores famosos costumam, vez ou outra, lançar séries pequenas, enquanto publicam suas obras principais que são mais longas. Algumas dessas obras menores acabam sendo lançadas no Brasil devido ao sucesso de uma outra obra maior do autor, que já faz ou fez sucesso no Brasil, assim podemos conferir mais do trabalho daquele autor. Por exemplo, seria pouco provável que Blue Dragon Ral Grad de Takeshi Obata chegasse ao brasil se não fosse o sucesso de Hikaru no Go, posteriormente esse desenhista ainda teve dois outros grandes sucessos em que trabalhou publicados no Brasil, Death Note e Bakuman, além de outra obra curta recentemente lançada, All you Need is Kill. Particularmente eu só tenho as duas obras curtas de Obata, embora tenha lido todas as obras citadas. Hikaru no Go é minha obra preferida dentre as seis, mas sem dúvida a obra em que Obata me deixou boquiaberto com seu traço, foi Blue Dragon Ral Grad.

È importante falar também que apostar em um autor que teve já obras que fizeram um relativo sucesso no país,  nem sempre é bom, principalmente quando a editora vai longe demais. Tenho certeza que toda vez que um mangá curto está para ser selecionado por uma editora, a editora tem ferramentas para medir o quanto essa obra provavelmente é popular ou não nos lugares em que já foi publicada, de modo que apostar em um mangá não muito famoso apenas porque o autor tem certa fama no Brasil pode sair pela culatra. O próprio Blue Dragon Ral Grad eu já conhecia ela antes de ser publicada no Brasil e pelo pouco de conhecimento que tinha, sabia que não era uma obra tão popular, tanto que até onde sei realmente que não foi um mangá muito lucrativo para a JBC.

Para mim que gosto muito de apostar em mangás curtos, não é incomum esbarrar em obras que não me agradam como o mangá Tsumitsuki, mas diante de um mercado em que suas grandes obras tendem muitas vezes a serem de gêneros muito parecidos, as vantagens de apostar em uma séries curtas se sobressai em detrimento das desvantagens, por isso fico feliz que mais mangás curtos venham sendo publicados nos últimos anos. Apenas espero que não se torne a regra usar esse tipo de mangá para apostar em gêneros menos conhecidos e em obras de demografias menos famosas no país, como o shoujo, o jousei e até mesmo o seinen, porque assim não teremos mais a oportunidade de acompanhar outras obras maiores e boas desses gêneros e demografias.

Sei que o texto não chegou a nenhuma grande conclusão, mas a ideia dessa coluna é divagar sobre os vários aspectos dos mangás e não apenas criticar o que há de ruim e nem apenas ressaltar o que há de bom. Espero que tenham gostado e que também reflitam um pouco sobre a publicação de mangás curtos no Brasil.

Análise da pergunta: Se alguma editora nacional lançasse mangás online você compraria (claro que com preço menor que os impressos pela vantagem em relação a distribuição)?

Uma ótima obra digital que acredito que faria sucesso no Brasil.

Uma ótima obra digital que poderia fazer sucesso no Brasil.

Nessa edição não teremos top nacional, mas temos a nova área da coluna Extras de Mangás onde farei sempre uma análise da pergunta extra de um dos formulários do projeto Conhecendo o Mercado Nacional de Mangás (CMNM), e desta vez vamos voltar a outubro de 2013, onde, juntamente às questões comuns do formulário desse mês, foi feita a seguinte pergunta:

Se alguma editora nacional lançasse mangás online você compraria (claro que com preço menor que os impressos pela vantagem em relação a distribuição)?

E para meu espanto e meio que tristeza a quantidade de respostas negativas foi superior e com uma vantagem razoável em relação às resposta positiva como pode ser visto no gráfico abaixo.

MAnga Digital

Mesmo analisando por faixa etária, apenas as pessoas entre 25 e 30 anos acham que poderia ser uma boa ideia publicar mangás digiais no Brasil. Porém foram muito poucos os participantes da pequisas nessas faixas na época em que esse formulário esteve no ar, como pode ser visto na tabela abaixo.

Manga Digital Faixa

Me pergunto se é uma resistência ao digital, se é porque as pessoas acreditam que obras digitais deveriam ser sempre gratuitas, ou se há uma desconfiança sobre como as editoras disponibilizariam essas obras. O mercado digital de quadrinhos existe, embora seja pequeno quando não se considera as publicações amadoras e gratuitas. Por exemplo o site maisgibis.com.br é uma loja de quadrinhos digitais, sendo que a versão impressa de algumas das obras à venda nesse site já foram publicadas. Porém não existe nenhuma iniciativa oficial do tipo para mangás, pelo menos não em língua portuguesa, pois o próprio Crunchyroll permite que os assinantes brasileiros tenham acesso aos mangás que são lá publicados, porém todos estão em inglês.

Particularmente, eu adoraria ver mangás sendo publicados digitalmente no Brasil, inclusive acompanhando notícias de anime e mangá, pode se ver que há uma tendência principalmente no Japão e nos Estados Unidos de publicarem mais e mais obras digitais. No caso do Brasil há uma vantagem imensa já que sabemos, que devido ao tamanho do país e ao fato de o principal tipo de transporte de produtos ser feito por meios viários, o custo com a distribuição é imenso. Além de que essa mesma distribuição é quase que cruel com fãs que não moram no sudeste onde estão as grandes editoras, pois fora a temível distribuição setorizada, ainda existe a tiragem pequena com que certas obras chegam em diversos locais do país e que por vezes gera uma concorrência por produto, já  que muitos dos mangás esgotam rápido.

Enfim, imagino diante desse resultado e do posicionamento de grande parte dos fãs de mangás, que tão cedo não veremos mangás digitais em português por vias oficiais no país, a não ser que alguma editora nos surpreenda, mas não aposto minhas fichas nisso.

Especial Ohba e Obata – Resenhas: Death Note e Bakuman

Olá leitores! Aqui é o ALM, como vocês estão? Hoje farei duas resenhas em um post só.

Como lançou esse mês o mangá All You Need Is Kill (Ainda farei a resenha deste, só estou esperando chegar pelo correio.), desenhado por Takeshi Obata, aproveitarei para fazer um especial de dois ótimos mangás também de Obata, mas em parceria com o roteirista Tsugumi Ohba: Death Note e Bakuman! Considerem esse post em homenagem aos 6 anos do Anime Portfólio, parabéns ao blog! E leia também esse post para conhecer mais sobre a carreira de Obata.

Death Note – História

Light Yagami (Ou Raito Yagami, tanto faz) é um dos melhores estudantes do Japão, mas ele se sente entediado com a vida, e decepcionado pela forma que o mundo está: podre. Então, em um dia qualquer, ele encontra um caderno que diz que todo humano cujo o nome for escrito nele morrerá. Mesmo duvidando disso, Light testa o caderno e descobre que ele é real, a partir disso ele resolve livrar o mundo da podridão, punindo os maldosos, e se tornando o Deus do novo mundo.

Depois de alguns dias com criminosos sendo mortos pelo Death Note, todos de ataque cardíaco, a polícia começa a suspeitar, e o maior detetive do mundo, “L”, é escalado para investigar o caso, e então, começa uma briga de gato e rato, um caçando o outro, cada um com sua justiça.

Análise

É difícil fazer uma resenha de Death Note, sendo ele um dos meus mangás/animes preferidos, mas aqui estou eu. Death Note apesar de sua sinopse simples, até meio sem graça, chama atenção pela inteligencia do roteiro no decorrer da série, reviravoltas acontecem toda hora, e o mangá te dá, digamos, liberdade para escolher de que lado você está.

Como Death Note se baseia em pontos de vistas morais diferentes (Light acreditando que a verdadeira justiça é a dele, que diz que matando criminosos ele vai criar um mundo melhor, e L acreditando que independente de serem criminosos ou não, matar é errado), a partir disso o leitor pode escolher quem ele acha que está certo ou errado. Particularmente, eu sempre torci para o L, sendo ele um ótimo personagem, carismático, inteligente e tudo mais, e por o Light ser um desgraçado.

Apesar de Light ser o personagem principal, ele é o vilão. É interessante ver o desenvolvimento do personagem, que no começo queria realmente fazer justiça, mas no decorrer da série ele se torna um assassino frio, incapaz de ter sentimentos por qualquer pessoa (Até pela própria família), e passa a se importar apenas consigo e com seu objetivo de se tornar um Deus. Falando em personagens, temos diversos outros, alguns bem bosta, tipo a Misa (Cara, como aquela mina é burra, chega a dar dó), e o Matsuda (Poxa, eu até gosto do Matsuda, ele é engraçado, mas ele não faz nada na série inteira.), e vários bons, como Aizawa, Near, Mello, Ryuk e Naomi Misora.

A partir do sensacional roteiro, o mangá tinha que ter uma arte a altura, e realmente tem, a arte de Takeshi Obata é uma das melhores que já vi em mangás, não vou comentar mais, vou apenas deixar algumas imagens para vocês verem do que eu estou falando (Ignorem a má qualidade das imagens): Aqui e aqui.

E ano passado foi lançado o Death Note – Black Edition no Brasil, pela JBC, que é uma edição que custa 40 dilmas. “QUE? QUE DROGA DE PREÇO É ESSE?” Calma, calma, essa edição vem com 400 páginas, capa com laminação fosca e detalhes em verniz, e papel especial, que valoriza bastante a arte, e 7 páginas coloridas. Acho que vale muito a pena comprar a Black Edition, inclusive só faltam o V e o VI para completar minha coleção dessa maravilhosa série.

Recomendo Death Note a todo mundo, tem uma história sensacional, com reviravoltas a todo momento, e com um roteiro de extrema inteligência, ótimos personagens (Alguns né…) e uma arte de ficar algum tempo em cada página só admirando. E a qualidade da Black Edition está ótima, você acha facilmente as edições em livrarias.

Death Note – Nota: 9,5

Bakuman – História

Bakuman conta a história de Mashiro, um talentoso desenhista, desmotivado com o futuro, por não saber o que fazer, e provavelmente ter que viver uma vida normal e chata. Um colega de classe, Takagi, vê um desenho que Mashiro fez de sua amada, Azuki, e descobre seu talento, e o convida para fazer mangás junto a ele, um desenhando e o outro fazendo os roteiros.

Mesmo relutante, Mashiro aceita, e mais tarde Takagi o convence a ir à casa de Azuki, para contarem seus sonhos de se tornarem mangakás. Azuki diz que também tem um sonho de se tornar dubladora, e sem pensar, Mashiro diz para eles se casarem quando Mashiro criar um mangá que se torne anime, sendo que Azuki irá dublar a heroína desse anime. E até que isso aconteça eles não devem se falar. Azuki aceita, e a partir daí, Mashiro (Já motivado a se tornar mangaká) e Takagi partem em busca de criar um título de sucesso na Shonen Jump.

Análise

Bakuman é um mangá diferente. Ele, assim como Death Note, tem muitos diálogos, diferente da maioria dos títulos de sucesso que vemos por aí, ou seja, Bakuman não vai agradar a todos.

E também, Bakuman tem pouca ação, segue um ritmo bem tranquilo o tempo todo, com alguns momentos de mais “movimento”, e felizmente Bakuman não se prende a essa sinopse RIDÍCULA, se você achou Bakuman uma bela bosta por essa sinopse, leia pelo menos uns dois volumes que você verá que Bakuman não é uma história de amor, e sim uma história de dois jovens buscando se tornarem mangakás de sucesso.

Isso sim que é legal de se ver, conhecer como funciona o mundo dos mangakás, o processo de criação, a Shonen Jump (Com cancelamentos, novas séries, o trabalho dos editores), mas, claro que o que é mostrado no mangá pode não ser a realidade, afinal, ele foi publicado na Shonen Jump, e a revista deve ter pedido para os autores deixar mais atrativa para quem tem o sonho de se tornar mangaká. A história nos primeiros volumes é bem fraca, e vai melhorando com o tempo, a melhor parte é o arco do Nananime, na minha opinião.

Outra coisa interessante, é que como o mangá fala sobre mangás, existem muitas referencias a diversos mangás, como Ashita no Joe, Dragon Ball, Death Note, One Piece…

E o ponto forte do mangá sem dúvida são os personagens, um mais carismático que o outro, e a maneira que os personagens se relacionam, e mesmo com a competitividade pela popularidade continuam com uma forte amizade, é bem interessante, e o desenvolvimento dos personagens também, o Nakai é o que mais surpreende no decorrer da série.

O final do mangá é bem preguiçoso. Eles só terminaram de verdade a parte do Hiramaru com a Aoki (Terminou muito bem aliás, uma das partes mais engraçadas do mangá), e o resto cade? O que acontece com os outros personagens? Eles continuam fazendo mangá e competindo até morrer, é isso? O que fiquei com mais raiva foi que nem disseram por que o tio do Mashiro morreu, que é um mistério desde o começo do mangá. Pelo menos, a história principal (Mashiro, Takagi, Azuki) “termina” bem.

A arte é a mesma de sempre, mas em Death Note está um pouco melhor, não sei o porquê.

Diferente de Death Note, não recomendo Bakuman a qualquer um, se você gosta de mangás, e não se importa em ler vários diálogos, Bakuman é mais que recomendado. Já se você só gosta de mangás de ação e luta, passe longe.

Bakuman – Nota: 9,0

Bom pessoal, foi isso, espero que tenham gostado, tiveram algumas coisas que gostaria de comentar, mas aí o post ficaria muito grande vocês iriam dormir na leitura, hehe. Também gostaria de fazer um post só para falar do final desses dois mangás, mas só se vocês quiserem, comentem aí o que vocês acham. Até a próxima, e feliz aniversário ao Anime Portfólio!

Projeto de Hangout do Anime Portfolio (Ainda sem nome)

Era pra ser dez minutos, mas acabou sendo uma hora… De qualquer jeito está o ar o episódio piloto da nova série de Hangouts do Anime Portfolio inaugurando seu canal oficial do Youtube. Nessa série vamos falar sobre temas relacionados a animes e mangás em geral. As gravações devem ocorrer sempre a cada duas semanas nas terças às 21:00.

Nesta primeira falamos sobre nossos animes preferidos no momento, ou quase isso…

Enfim, ainda não temos um nome para o projeto então deixem nos comentários suas sugestões de nomes e temas e se quiserem participar com algum tema específico, nos envie um e-mail (bloganimeportfolio@gmail.com) e veremos  a disponibilidade e um terça para gravarmos.

Sobre Músicas e Animes 20: Músicas para ouvir quando se está fazendo exercícios

Músicas para todo e qualquer tipo de exercício!

Músicas para todo e qualquer tipo de exercício!

Yo! Está no ar a edição 20 do Sobre Músicas Animes, o podcast mais em forma da podosfera mundial. No programa que lhes trago hoje estiveram presentes eu (Evilasio Junior), o Carlírio Neto do blog Netoin, também conhecido como o padrinho da Otakusfera brasileira, o Luklukas, o treinador pokemon, do Chuva de Nanquim e do Yopinando Shinbun o Bebop, o homem do ba dum tss, e o Erick Dias, o Paulo Cintura da blogosfera nacional, ambos do Animecote, a AnaChan, a escritora, do Anekicorner, e a Lobo Paranoico (@LoboParanoico), a desenhista.

Miau!

Miau!

O tema dessa edição foi Músicas de animes para ouvir quando se está fazendo exercício, porém esse podcast fala não apenas sobre como manter a boa forma, ou como entrar em uma boa forma, mas também sobre muitas outras questões, é quase uma edição sobre a vida o universo e tudo mais, porém nem por isso deixou de ser um dos podcasts mais hilários que gravamos.

Escutem o podcast abaixo e depois comentem (nós lemos os comentários e até respondemos)! Vocês também podem entrar em contato conosco pelo e-mail bloganimeportfolio@gmail.com.

Podcast: Download Alta Qualidade (74,8 mb) | Download Média Qualidade (49,9 mb)

Duração: 01:48:55

Podcast em particionado por música: Download (acesse o link e escolha a parte que quer escutar)

Feed de Podcasts do Yopinando: http://feeds.rapidfeeds.com/45097/

Blogs participantes desta edição:

Músicas indicadas neste podcast:

  • “Lions never surrender”, Bleach
  • “Help!”, M.M
  • “Saihate no Parade”, OverDrive
  • “Bad Dog No Biscuits”, Cowboy Bebop
  • “Cruel Angel’s Thesis”, Shin Seiki Evangelion
  • “What’s Up People?”, Death Note
  • “Natsu Sora”, Onegai Twins
  • “Speed”, Serial Experiment Lain
  • “Goya no Machiawase”, Noragami
  • “Rolling 1000 Toons”, Air Master
  • “Sakura Saku (French Version)”, Love Hina
  • “Calça de Ginástica”, Michiko to Hatchin
  • “Rolling Star”, Bleach
  • “I’m Ready”, Yowamushi Pedal
  • “Jigoku No Sata Mo Kimi Shidai”, Hozuki no Reitetsu

Tema de abertura dessa edição:

  • “Can Do”, Kuroko no Basket

BGM’s:

  • Kuroko no Basket OST
  • “Ame Tokidoki Hare Nochi Niji”, Ginga e Kickoff

Extra:

  • O Gralha e Oil-Man: um encontro explosivo