O ogro azul dos fãs de anime e mangá…

Posts marcados ‘Loli’

Esse é meu top 5 de… Clichês dispensáveis de anime

Serei breve, até porque todo mundo que ler o blog já deve está cansado de saber como funciona esta coluna e vem aqui só para conferir o top e contribuir com o que concordo, com o que não concorda e com o que está faltando. Quem não ler o blog deve entender rápido como tudo funciona. Dito isso, vamos ao meu top 5 de hoje…

5º lugar – Peitos com vida própria

Boing Boing Boing Boing Boing...

Boing Boing Boing Boing Boing…

Sei que esse não é lá um clichê que desmereça tanto a obra, mas tem algumas coisas pequenas que me irritam bem mais hoje, depois de tanto tempo vendo anime. Será que é tão problemático assim ter como base mulheres de verdade e movimentos reais… afinal peitos de verdade balançam também, mas não possuem vida própria e nem parecem balões de borracha.

4º lugar – Fanservice com lolis

Entendedores entenderão...

Entendedores entenderão… Ps.: Não é Hentai!

Lolis são um sucesso indiscutível, elas tem seu espaço nas animações, por vezes bem explorado, por vezes não. O problema é que há uma exagero de fanservice com lolis hoje em dia. Garotinhas que sequer menstruaram alguma vez, dão em cima de personagens mais velhos e mostram a calcinha sempre que possível, fora quando algo mais agressivo não acontece (embora nesse caso saia do lugar comum). Há quem defenda esse tipo de coisa e eu não tenho problema com lolis em animes, mas fanservice com lolis atualmente é um dos principais motivos para eu deixar animes em espera para talvez tornar a ver no futuro, quando não dropo o anime. Claro que há exceções, mas no geral eu preferia que respeitassem um pouquinho mais a “inocência” destas jovens.

3º Lugar – Adultos que parecem crianças do jardim de infância

Não é uma criança fumando e bebendo, pelo contrário, ela tem quase 30.

Não é uma criança fumando e bebendo, pelo contrário, ela tem quase 30.

Ainda no tema lolis, ou melhor, fake lolis, aqui o problema é o porquê? Uma personagem adulta com uma aparência mais jovem é interessante de vez em quando, mas há um limite. Tem certas personagens que devem ter alguma doença, pois não é possível essa pessoa ser uma adulta. Conheço muitos homens baixos e mulheres baixas, mas nem por isso parecem ainda usar fraldas. Eu imagino como os defensores do projeto de lei que proíbe a vinculação de propagandas para o público infantil reagiriam a imagem acima, mesmo sabendo que a personagem é uma mulher adulta de quase 30 anos de idade e olha que nessa imagem nem dar pra perceber tanto assim o nível de loli da personagem, na verdade, nem as lolis de fato desse anime são tão lolis.

2º lugar – A solução mais deus ex-machina possível

Só lembrar dessa cena me sinto com vontade de chorar sangue e olha que tem coisa pior nesse anime.

Só de lembrar dessa cena me sinto com vontade de chorar sangue e olha que tem coisa pior nesse anime.

Antes de mais nada é bom deixar claro que há animes com plots que exploram o absurdo como um ponto importante para o roteiro, geralmente tornando o anime galhofão, e nesses casos o quão mais absurda a solução for, melhor será para proposta do anime. Por exemplo Kill la Kill,  Jojo’s Bizarre Adventure e Tengen Toppa Gurren Lagann.

O problema é que certos animes definem algumas regras para seu universo próprio, o que nos faz perceber mais ou menos quais os limites que a obra admite, porém o roteiro de algumas destas obras, em determinado ponto, ignoram completamente tais limites e surgem soluções deus ex-machina (ou deus ex-ultra-fuck-giant-machina) do nada. A impressão é de que o roteirista simplesmente esgotou todas as suas ideias e decidiu fazer qualquer coisa que choque o expectador. E não é qualquer choque, mas um choque daqueles que dar vontade de tentar conseguir uma passagem para o Japão, afim de sequestrar toda a equipe de produção do anime e obrigá-los a refazer tudo aquilo. Quem viu Samurai Flamenco, ou o final de Samurai Deeper Kyo, ou ainda o final do anime de Soul Eater deve entender um pouco essa minha birra com este tipo de clichê.

1º Lugar – “Onii-chan daisuki!”

...

Existiu um tempo que esse clichê mal me incomodava, que sequer ele estaria nesta lista,  mas hoje em dia há situações que a simples menção ao termo “Onii-chan” é o bastante para me fazer parar de ver o anime. Nem sempre eu paro, mas é praticamente impossível relevar isso, de modo que na maioria dos casos, isso me irrita. E olha que não é uma aversão a incesto (que também é um tipo de relacionamento que irrita por ser muito mal explorado na maioria das obras que o tem), mas uma aversão há o abuso de uma relação entre uma  jovem garota e seu “Onii-chan”, que muitas vezes nem tem correlação sanguínea com a personagem feminina em questão (pode interprete isso quase sempre como um deus ex-machina). E quando surge um “Onii-chan daisuki!” é… Pode até parecer birra minha, mas conheço algumas pessoas que pensam ainda pior sobre tal clichê. E o chato é saber que esse tipo de coisa faz um sucesso absurdo entre os otakus japoneses e que, tal como os animes de colegiais, continuará a ser usada ao infinito e um pouco mais…

Enfim, após descarregar toda minha revolta contra tais clichês, chegou a hora de dizer tchau, mas vale lembrar que esse é apenas o meu top 5, por isso fica a pergunta: qual é o seu?