O ogro azul dos fãs de anime e mangá…

Posts marcados ‘Yuusei Matsui’

Kyon News (11/01/2015)

Obrigado!

Obrigado!

Olá! Eu sou o Kyon e está no ar mais um Kyon News! Hoje temos uma novidade de mangá, duas novidades de anime e um trailer. Também temos no fim do post a lista de animes lançados nessa domingo no Cruncyroll.pt e as legendas disponibilizadas nesse domingo por fansubbers nacionais. Sem mais delongas, vamos as notícias…

(mais…)

Kyon News (22/12/2014)

343988-00_13_15_super

Preparando para festas…

Olá! Está no ar mais um Kyon News! Hoje temos um dia bem comum com uma novidade de mangá, uma novidade de light novel, duas novidades de anime e três trailers. Sem delongas, vamos as notícias…

(mais…)

Kyon News (04/11/2014)

Cuidado! Eu tenho uma arma!

Cuidado! Eu tenho uma arma laser!

Olá! Eu sou Kyon e esse é mais um Kyon News! Hoje temos um dia cheio de de notícias que não são anúncios de novos animes e  novos mangás,  para variar um pouco. Enfim, sem muitas delongas, vamos as notícias…

(mais…)

Kyon News (16/10/2014)

Confiram todo o potencial atlético do Kyon em apenas 7 segundos...

Confiram todo o potencial atlético do Kyon em apenas 7 segundos…

Que gif é esse aí… Oi! Esse é o Kyon News e não acreditem em todas as imagens que veem (Mas pode acreditar nessa aí acima. Nota do Administrador em troll mode). Hoje temos muitas novidades de anime e apenas uma de mangá. Vamos as notícias (e fiquem ligados no anúncio no final do post. Nota do Administrador) …

(mais…)

Eu li – Ansatsu Kyoushitsu (Assassination Classroom) volumes 1 a 4

Esse texto serve tanto como uma primeira impressão de Ansatsu Kyoushitsu, aproveitando que o mangá foi lançado recentemente no Brasil, quanto como uma prestação de contas em relação a edição 10 da coluna Hora de Aventura que foi encerrada, os motivos para isso eu conto no final deste post.

"Eu prefiro Duro de Matar!"

“Eu prefiro Duro de Matar!”

Ansatsu Kyoushitsu, ou Assassination Classroom, é um mangá de Yuusei Matsui, publicado na revista Weekly Shounen Jump desde 2 de julho de 2012 e que conta atualmente com pouco menos de 100 capítulos e 10 volumes compilados publicados no Japão. O mangá começou a ser publicado no Brasil recentemente pela editora Panini.

Vou fazer um pouco diferente do que estou acostumado e começar a falar da arte do mangá que não chega a surpreender, mas funciona muito bem com a história, tanto nas cenas sérias quanto nas cenas mais dramáticas ou com mais tensão. Ao longo dos volumes é fácil perceber que arte do autor melhora, porém não chega a haver uma grande mudança do volume 4 em relação ao volume 1. Particularmente gosto mais do design dos personagens do que dos cenários, mas o cenário não é ruim e muito menos inexistente como em muitas páginas de Bleach, apenas parece que o autor se preocupa mais em transmitir as sensações e emoções dos personagem, do que em desenhar um cenário incrivelmente detalhista.

670px-0,1631,0,1190-Chapter_001

A história é o ponto auto da obra de fato.  Ela gira em torno de um grupo de estudantes de uma escola de elite tidos como derrotados e que são usados como exemplo para fazer com que os demais estudantes da escola se empenhem, pois em outro caso eles podem ter que ir para a sala deste grupo de derrotados. Embora a história gire em torno principalmente destes estudantes, há um outro personagem essencial para a obra, que é o protagonista do conflito principal, trata-se do professor deste estudantes que é um monstros similar a um polvo gigante e marelo que consegue se mover a velocidade mach 20 (algo em torno de 6800 m/s  ou 24480 km/h), que destruiu a maior parte da lua e que pretende destruir a terra, mas antes disso ele vai dar uma chande de ser detido. Durante um ano os estudantes dessa classe deverão tentar assassiná-lo e  em troca ele não pode atacá-los, mas será seu professor. Importante destacar que a regra de não agressão dele vale apenas em relação aos estudantes, podendo ele, se quiser, matar qualquer outra pessoa, incluindo os familiares destes estudantes o que os põe em uma situação de serem obrigados a aceitar o desafio.

O plot parece absurdo, mas ao longo do mangá percebe-se que muito mais do que um mangá sobre adolescentes tentando matar seu professor (e eles realmente tentam bastante) é um mangá sobre a natureza humana e sobre como pessoas que parecem derrotadas aos olhos de muitos podem ser muito mais do imaginam com o incentivo certo, de modo que em muitos momento o professor chega a lembrar  os protagonistas de clássicos mangás de professor como Gokusen e GTO. Ao longo da obra é possível perceber que existem vilões muito piores do que o professor e a maioria deles não tem intenção de matar ninguém.

Além da questão de ser um mangá de superação junto com comédia, o que já faz dele uma obra interessante, é muito legal ver as diversas estratégias que os alunos e o governo empregam para tentar matar o Koro-sensei (de Korosanai, “não pode ser morto”), de modo que a obra sempre traz algo novo e imprevisível para chamar a atenção do leitor a cada saga. Gostei da versão da Panini e vou continuar colecionando, o que vai me fazer demorar um pouco a ultrapassar a parte que já tinha previamente lido, já que o mangá será bimestral. A única ressalva, meio besta, que faço é que eu adorava o fato de o scanlator de onde eu li estes volumes iniciais terem adaptado o nome do professor para “Duro de Matar”, ficava muito maneiro as frases com ele sendo chamado assim. Enfim, é uma obra que recomendo bastante para quem curte plots meio estranhos e mangás de professores como GTO, Gouksen e Dragon Zakura.

Sobre a  coluna  Hora de Aventura
(O texto abaixo é mais para leitores padrões do blog, se você não o é, pode dar o post como encerrado. Obrigado pela compreensão!)

Como havia falado no início do post, gostaria de aproveitar o espaço para explicar o porque parei com a coluna Hora de Aventura. Na prática estava cada vez mais difícil completar os desafios devido a meu tempo livre (ou falta dele) e muitas vezes eu tinha de maratonar o anime ou mangá para poder terminar a tempo, mesmo assim, devido as “punições”, acabei vendo mais coisas que não queria do que eu esperava e como eu pretendo escrever sobre todas as obras que vi, fica muito chato eu ter de escrever sobre obras que não gosto, não só por mim, como pelos leitores também, lembrando que eu praticamente parei de fazer resenhas de obras que não curto desde Avenger, que foi um dos primeiros animes que comentei no blog. Então para evitar textos provavelmente não tão legais em demasia no blog, decidi parar a coluna Hora de Aventura.